Advogada do tribunal de Haia é detida após visitar filho de Kadafi

Australiana foi detida na última sexta-feira depois de encontro com Saif al-Islam na prisão da cidade de Zintan; ela teria ido a local para entregar documentos ao filho do ex-ditador

EFE |

EFE

A advogada australiana Melinda Taylor, integrante do Tribunal Penal Internacional (TPI), foi detida na sexta-feira após visitar Saif al-Islam Kadafi, filho do ex-ditador líbio Muammar Kadafi, na prisão da cidade de Zintan, a 150 quilômetros de Trípoli.

Adel Salama Zentani, integrante do grupo de comunicação de Zintan, afirmou neste sábado à "Agência Efe" que a advogada foi detida por tentar entregar a Seif al-Islam documentos não relacionados ao caso e potencialmente perigosos à segurança da Líbia.

Segundo Zentani, a advogada tentou entregar ao filho do falecido dirigente líbio um equipamento para detectar movimentos dentro da prisão.

Reuters
Líbios comemoram uma ano da revolta popular contra Muamar Kadafi em Benghazi

Já o representante líbio no TPI, Ahmed al-Jehani, disse que a advogada estava na posse de uma câmera fotográfica em miniatura camuflada em uma caneta, assim como de uma filmadora dentro de seu relógio. Ele indicou que Taylor, que se encontra na Líbia para uma missão "de rotina", será interrogada.

Zentani, por sua vez, afirmou que o processo de Seif al-Islam é "um direito de Zintan" e advertiu que a população da cidade, assim como as autoridades e a milícia local "não cederão às fortes pressões exercidas por países estrangeiros", que reivindicam a entrega do prisioneiro a instâncias superiores.

Após sua captura no dia 19 de novembro do ano passado, Seif al-Islam, considerado o herdeiro do antigo regime, permanece detido pela brigada de Zintan, que rejeita entregá-lo tanto às autoridades centrais de Trípoli como ao Tribunal Penal Internacional.

Com agências internacionais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG