Otan pede desculpas por bombadeio que matou civis no Afeganistão

Segundo dirigentes afegãos, ataque aéreo deixou 18 mortos, incluindo mulheres e crianças, na Província de Logar

iG São Paulo | - Atualizada às

O comandante americano das forças da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e dos EUA no Afeganistão, general John Allen, apresentou suas desculpas nesta sexta-feira pelo bombardeio da coalizão que matou civis nesta semana - na primeira confirmação das forças da Aliança Atlântica de que civis foram mortos na operação. Segundo os dirigentes afegãos, 18 civis morreram no ataque, entre eles mulheres e crianças.

Ataque aéreo: Afegãos acusam Otan de matar 18 civis

AFP
Afegãos sentam-se em carro com corpos de crianças mortas em ataque da Otan na Província de Logar (06/06)

Violência: Homens-bomba matam 22 civis em mercado de Kandahar, Afeganistão

O general dos fuzileiros navais voou para a Província de Logar, no sul do Afeganistão, apresentar pessoalmente suas desculpas aos habitantes locais e às autoridades provinciais pelas mortes de mulheres, crianças e idosos em uma ação lançada quarta-feira para capturar um militante da milícia islâmica do Taleban.

As ações noturnas contra militantes que se abrigam em vilas têm sido uma fonte de brigas entre o governo afegão, que diz que as ações colocam os civis sob fogo cruzado, e os aliados internacionais, que dizem que as operações são cruciais para combater os líderes insurgentes.

Um acordo assinado em abril supostamente resolveria a questão ao pôr o governo afegão em controle de tais operações, e os soldados envolvidos na operação de quarta-feira incluíram soldados afegãos. Mas o presidete Hamid Karzai colocou a culpa pelas mortes de quarta-feira apenas na coalizão internacional.

A Otan e autoridades afegãs disseram que os soldados estavam em uma operação para capturar um líder Taleban que estava escondido na casa no distrito de Baraki Barak, vila de Sajawand. Enquanto tentavam entrar no local, ficaram sob fogo e acabaram por chamar um bombardeio.

Um médico afegão disse que os militantes decidiram passar a noite na casa por pensar que um casamento no local os encobertaria. Quando a Otan e os soldados afegãos começaram a avançar em direção a casa, pediram que todos os civis saíssem, mas os insurgentes não os deixaram sair, disse Wali Wakil.

Entre os 18 mortos havia quatro mulheres, dois idosos, três adolescentes e nove crianças. O ataque também deixou seis militantes mortos. De acordo com o comandante da Otan, a organização não sabia que civis estavam na casa quando ordenou o ataque aéreo.

*Com AP

    Leia tudo sobre: afeganistãootantalebanataque aéreo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG