Juiz é flagrado jogando Paciência durante julgamento de extremista da Noruega

Câmera de TV mostra Ernst Henning Eielsen jogando em seu computador no tribunal de Oslo, que julga Anders Behring Breivik

iG São Paulo |

Um dos cinco juízes encarregados de julgar o extremista Anders Behring Breivik , que assumiu o duplo ataque que deixou 77 mortos na Noruega no ano passado, foi flagrado nesta segunda-feira por câmeras de televisão jogando Paciência em seu computador durante o julgamento.

Leia também:  Autor de massacre na Noruega tomou estimulantes, diz especialista

Reprodução / VG
Imagem de vídeo publicado pelo site do jornal VG mostra o juiz Ernst Henning Eielsen jogando Paciência durante julgamento de Breivik

Imagens de TV publicadas no site do jornal Verdens Ganf mostraram Ernst Henning Eielsen, um dos três juízes auxiliares encarregados de ajudar os dois magistrados profissionais, jogando uma partida do jogo no momento em que o professor sueco Mattias Gardell testemunhava.

A porta-voz do tribunal de Oslo, Irene Ramm, disse que Eielsen não negou ter jogado Paciência durante o julgamento. 

"Os juízes seguem atentamente o que é dito e o que é apresentado no tribunal", afirmou à AFP. "Existem diferentes formas de se manter concentrado.”

Leia também: Saiba como extremista executou plano de ataque na Noruega

O tribunal está ouvindo as testemunhas convocadas pela defesa.

Breivik assumiu a responsabilidade pelo duplo ataque, mas se declarou inocente das acusações criminais dizendo que suas vítimas tinham traído a Noruega ao abraçar a imigração.

A questão crucial do julgamento é determinar a sanidade de Breivik e se ele será encaminhado a uma prisão ou à assistência psiquiátrica compulsória pelo ataque duplo. Uma avaliação psiquiátrica o caracterizou como psicótico e "delirante" , enquanto outra o considerou competente mentalmente para ser enviado à prisão.

Nesta segunda-feira, o extremista disse que durante a infância foi desrespeitado várias vezes por muçulmanos, sugerindo que tais incidentes poderiam ter algum papel em sua radicalização.

Breivik afirmou que o pai de um amigo turco quebrou sua bicicleta quando ele tinha sete anos, e que um motorista de trem paquistanês o deu um tapa quando ele tinha 15 anos, porque estava viajando do lado de fora do vagão.

Com AFP e AP

    Leia tudo sobre: breiviknoruega sob ataquenoruegaosloutoya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG