Integrantes da equipe dos candidatos comentam fracos dados sobre o mercado de trabalho dos EUA, divulgados na sexta-feira

Assessores do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e do candidato republicano à Casa Branca, Mitt Romney , trocaram ataques durante participações em programas da TV americana neste domingo. As declarações foram feitas dois dias após o anúncio de fracos dados sobre o mercado de trabalho nos EUA, a meses de uma eleição na qual a situação econômica do país será determinante.

Leia também:  Obama e Romney adotam campanhas diferentes pelos mesmos eleitores

Combinação de fotos mostra presidente dos EUA, Barack Obama (E), em Iowa em 24/5, e seu rival republicano nas eleições, Mitt Romney, na Califórnia em 31/5
AP
Combinação de fotos mostra presidente dos EUA, Barack Obama (E), em Iowa em 24/5, e seu rival republicano nas eleições, Mitt Romney, na Califórnia em 31/5

Ed Gillespie, um consultor sênior de Romney, afirmou que as políticas de Obama são “hostis à criação de emprego” durante entrevista ao programa Fox News Sunday, da emissora Fox News.

Ele citou como exemplo a decisão de Obama de suspender um duto de petróleo que ligaria o Canadá ao Texas para estudar seu impacto ambiental.

"O duto de Keystone teria tido um impacto imediato na criação de empregos", disse Gillespie.

O consultor-sênior da campanha de Obama, David Axelrod, observou durante o programa Face the Nation, da CBS, que “Romney se apresenta como criador de emprego, um tipo de oráculo econômico, mas está falando exatamente a mesma coisa que falou dez anos atrás quando concorreu ao governo de Massachusetts".

"O que aconteceu?", perguntou Axelrod. "Massachusetts caiu para o 47º lugar na criação de empregos. Eles perderam vagas na indústria duas vezes mais que o país como um todo, e criaram postos numa taxa equivalente a um quinto do resto do país. Não foi um legado de um criador de empregos. Ele tinha a filosofia econômica errada e fracassou", afirmou Axelrod.

Na sexta-feira, foi anunciado que o índice de desemprego atingiu 8,2% em maio, ante 8,1% em abril. A criação de 69 mil postos em maio foi mais fraca que o esperado.

Com Reuters 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.