Em suposto comunicado, Farc falam pela 1ª vez de possível desarmamento

Declaração, ainda não confirmada, foi divulgada no portal "Café Stéreo"

EFE |

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) afirmaram nesta sexta-feira que o marco jurídico para a paz estudado pelo Congresso colombiano pode abrir caminho para a reconciliação e pela primeira vez mencionaram a possibilidade de um desarmamento e desmobilização de seus homens.

Leia também: Farc libertam jornalista francês na Colômbia

"Para os inimigos do povo, que sempre acharam que a guerrilha nunca se submeteria à entrega das armas e à desmobilização, esta é a oportunidade para dizer-lhes que com o 'marco jurídico para a paz', vemos uma janela aberta para que isso ocorra", assinala um comunicado divulgado pelo portal "Café Stéreo".

Logo após a divulgação, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que se há fatos reais e não só palavras por parte das Farc haverá paz no país. Santos fez esta afirmação ao mesmo tempo em que disse que seu governo está verificando a autenticidade do comunicado.

A autoria do comunicado tem levantado algumas dúvidas. O diretor da revista "Voz", Carlos Lozano, do grupo Colombianas e Colombianos pela Paz (CCP), o considerou "apócrifo" em mensagem de sua conta no Twitter. A ex-senadora Piedad Córdoba, também do CCP, assinalou ao portal do jornal "El Tiempo" que a mensagem é um comunicado "apócrifo" e opinou que é "estranho" que tenha "ortografia ruim". Por sua vez, o senador Roy Barreras, conferente do marco jurídico para a paz, pediu de Washington "prudência".

Na mensagem, dirigida ao presidente colombiano, Juan Manuel Santos, se indica que o projeto que está no Parlamento pode ser uma ferramenta de discussão e solução dos problemas que afligem o país. "O presidente Santos tem as chaves para a paz e nós temos a fechadura", assinala o comunicado. "Ao fim, se começaram a abrir as portas que levarão a Colômbia rumo ao caminho da paz e da reconciliação nacional com justiça social, as Farc veem com sinal verde o trâmite do projeto", assinala.

Os autores do comunicado destacam sentir complacência "por tão generosa mostra de boa vontade de sua parte, para alcançar a tão desejada paz na Colômbia". O marco jurídico para a paz, que se debate atualmente e gerou polêmicas entre diferentes setores, dotará o governante da possibilidade de outorgar benefícios jurídicos a integrantes de grupos armados que se desarmem.

O comunicado, que foi reproduzido por diversos meios de imprensa colombianos, foi divulgado pelo "Café Estéreo", que transmite de Estocolmo, mas não nas páginas de internet que a guerrilha usa habitualmente, "ANNCOL" e "farc-ep.co".

O senador Barreras destacou que, "independente da veracidade e originalidade ou não dos comunicados atribuídos às Farc, a discussão democrática no Congresso sobre o marco para a paz continua". "Este marco para a paz avança por vontade dos colombianos pacíficos e desarmados, sem consultar os grupos ilegais armados. Os colombianos pacíficos estão decidindo o que estão dispostos a oferecer juridicamente aos violentos se abandonarem a violência", assinalou Barreras

    Leia tudo sobre: farccolômbiadesarmamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG