Em carta, Obama lamenta 'erro' sobre Holocausto que irritou Polônia

Presidente polonês diz aceitar desculpas de líder que falou em campos de concentração 'poloneses' e não 'na Polônia'

iG São Paulo |

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, enviou uma carta ao presidente da Polônia, Bronislaw Komorowski, lamentando um erro em um comentário sobre o Holocausto que causou polêmica no país. Na terça-feira, ao anunciar uma condecoração a um combatente polonês da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o presidente se referiu a “campos de concentração poloneses”, o que não deixa claro que Varsóvia não teve participação nas atrocidades cometidas em seu território durante a ocupação nazista.

A carta de Obama é uma resposta ao primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, que exigiu um pedido de desculpas da Casa Branca. Na quarta-feira, o ex-presidente polonês Lech Walesa, vencedor do Nobel da Paz, afirmou que "deveríamos usar essa enorme gafe para assegurar que ninguém, em lugar nenhum do mundo, nunca mais diga isso".

Leia também:  Comentário de Obama sobre Holocausto causa revolta na Polônia

AP
Em Washington, Obama entrega ao ex-chanceler polonês Adam Daniel Rotfeld homenagem póstuma ao combatente Jan Karsi (29/05)

“Ao me referir a ‘campos de concentração poloneses’ ao invés de ‘campos de concentração nazistas na Polônia ocupada pela Alemanha’, usei uma frase que causou muita dor nos poloneses durante os anos, e que a Polônia, com razão, lutou para eliminar do discurso público global”, afirmou Obama. “Lamento o erro e concordo que este é o momento e a oportunidade para garantir que essa geração e as gerações futuras saibam a verdade.”

Nesta sexta-feira, o presidente polonês disse aceitar as desculpas de Obama. “Os eventos dos últimos dias e a resposta do líder americano, na minha opinião, marcam um momento muito importante na luta histórica pela verdade”, afirmou Bronislaw.

A gafe foi cometida durante a entrega póstuma da Medalha Presidencial da Liberdade ao combatente Jan Karski. Na quarta-feira, a Casa Branca afirmou que a declaração equivocada do presidente “não deve diminuir a clara intenção de honrar o senhor Karski e esses bravos cidadãos que ficaram ao lado da dignidade humana diante da tirania.”.

Na tentativa de abafar a controvérsia rapidamente, a Casa Branca também lembrou que Obama visitou monumentos em homenagem às vítimas do holocausto na Polônia e que elogiou a bravura dos combatentes do país por diversas vezes.

Em seu site, a Embaixada da Polônia em Washington tem um guia sobre campos de concentração que considera “um insulto factualmente incorreto” qualquer menção a campos de concentração poloneses.

Com Reuters e AP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG