Vatileaks: Papa critica cobertura 'exagerada' de parte da mídia

Bento 16 quebra silêncio sobre escândalo de vazamentos dizendo que rumores 'sem fundamento' oferecem retrato falso da Santa Sé

iG São Paulo |

No fim de sua audiência semanal, o papa Bento 16 quebrou nesta quarta-feira seu silêncio sobre o escândalo de vazamentos do Vaticano, expressando seu desgosto sobre a forma como parte da imprensa está cobrindo a história, que ficou conhecida como " Vatileaks ". De acordo com o pontífice, rumores "exagerados" e "sem fundamento" ofereceram uma falsa imagem da Santa Sé.

Reuters
Golfada de vento cobre rosto de papa Bento 16 com seu manto durante audiência semanal na Praça de São Pedro no Vaticano
Em seus primeiros comentários diretos sobre o caso, que expôs alegações de corrupção, má gestão e conflitos internos no Vaticano, o papa disse estar triste com a traição, mas grato pelos assessores que trabalharam de forma leal e em silêncio para ajudá-lo em sua função.

A mídia italiana tem mostrado frenesi desde que o mordomo do papa , Paolo Gabriele, foi preso na semana passada depois depois que investigadores do Vaticano descobriram documentos papais em seu apartamento na Cidade do Vaticano. Ele continua detido e prometeu colaborar totalmente com a investigação.

Escândalo: Vaticano nega envolvimento de cardeal no 'Vatileaks'

Surgiram rumores na imprensa sobre a possibilidade de cardeais estarem envolvidos na investigação, dando detalhes que mesmo os advogados de Gabriele disseram desconhecer. O porta-voz do Vaticano tem passado a maior parte de suas declarações diárias desmentindo tais informações.

O escândalo representa uma das maiores quebras de confiança e segurança para a Santa Sé recentemente, considerando-se que um significativa número de documentos da própria mesa de trabalho do papa foram vazados para um jornalista investigativo. O Vaticano denunciou os vazamentos como criminosos e imorais e abriu um investigação para descobrir os responsáveis.

"Os eventos dos dias recentes sobre a Cúria e meus colaboradores levaram tristeza ao meu coração", disse Bento 16 no fim de sua audiência, mas acrescentou: "Quero renovar minha confiança e o encorajamento de meus colaboradores mais próximos e daqueles que todos os dias, com lealdade e espírito de sacrifício e em silêncio, me ajudam a cumprir meu ministério."

Poucos pensam que Gabriele agiu sozinho, e sua promessa de cooperar com a investigação levantou especulações de que outros podem ser presos em breve.

As motivações para os vazamentos permanecem não claras: alguns comentaristas dizem que parecem der o objetivo de desacreditar o número 2 do papa, o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone. Outros dizem que visam a minar os esforços do Vaticano de se tornar mais transparente financeiramente, enquanto outros dizem querer mostrar a fraqueza de Bento 16, de 85 anos, em gerenciar a Igreja Católica.

*Com AP

    Leia tudo sobre: itáliabento 16papavazamentosVatileaksmordomovaticanoigreja católica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG