Supremo do Reino Unido rejeita recurso de criador do WikiLeaks contra extradição

Advogada de Julian Assange questiona tratado usado como base para decisão e pode tentar reabrir o caso

iG São Paulo |

A Suprema Corte do Reino Unido rejeitou nesta quarta-feira o recurso do fundador do site WikiLeaks , o australiano Julian Assange , contra sua extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais . Porém, o tribunal deu aos advogados de defesa 14 dias para recorrer contra a decisão, após questionamentos sobre o tratado usado como base legal para julgar o caso.

Leia também: Assange tenta melhorar imagem com talk show na TV russa

AP
Manifestante protesta contra extradição de Assange em frente ao prédio da Suprema Corte em Londres

A principal questão avaliada pela Suprema Corte era a validade legal do mandado de prisão emitido pela Suécia. Os advogados de Assange argumentaram que o texto não é válido porque foi expedido por um promotor e não por um juiz ou uma corte.

O presidente da Suprema Corte britânica, Nicholas Phillips, disse que chegar a uma decisão “não foi fácil”, mas afirmou que o mandado foi considerado válido por cinco juízes dos sete que compõem o tribunal. Com isso, o recurso de Assange contra a extradição foi negado.

De acordo com Phillips, o procurador que emitiu o documento pode ser considerado uma “autoridade judicial” ainda que isso não esteja especificamente mencionado na lei ou em acordos internacionais. Este foi o ponto que dificultou a decisão, segundo o juiz.

Em comunicado, a Suprema Corte afirmou que a advogada de Assange, Dinah Rose, indicou que vai tentar reabrir o caso, argumentando que a decisão pode ter sido tomada com base em questões legais que não foram discutidas durante o processo.

“A senhora Rose sugeriu que a maioria dos juízes pareceu ter baseado sua decisão na Convenção de Viena, sobre a qual não foram ouvidos argumentos”, disse o comunicado.

"A Suprema Corte deu à senhora Rose 14 dias para preparar tal apelo. Se ela decidir fazê-lo, os juízes vão considerar a reabertura do caso e aceitar novas argumentações, verbais ou escritas", acrescentou o texto.

A decisão da Suprema Corte diz que Assange pode ser extraditado a partir do dia 13 de junho, um prazo que deve aumentar se o caso for reaberto. Assange não participou da audiência no centro de Londres porque, segundo seus advogados, ficou “preso no trânsito”.

O australiano nega as acusações, que considera politicamente motivadas por causa de seu trabalho no WikiLeaks, site especializado em divulgar documentos oficiais.

Em 2010, o WikiLeaks divulgou mais de 700 mil documentos oficiais sigilosos dos EUA, entre memorandos diplomáticos e informações sobre as guerras do Iraque e Afeganistão.

Com AP, BBC e Reuters

    Leia tudo sobre: assangewikileaksextradiçãoreino unidosuécia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG