Costa do Alasca fica cheia de possível lixo do tsunami do Japão

Ambientalistas se preparam para limpar quantidade 'sem precedentes' de dejetos, incluindo boias e isopor, na Ilha de Anchorage

AFP |

Chris Pallister/ reprodução
Prováveis destroços do tsunami do Japão são vistos na Ilha de Montague
Uma quantidade "sem precedentes" de dejetos possivelmente arrastados pelo tsunami que varreu o Japão no ano passado chegou à costa do Alasca, afirmaram ambientalistas que se preparam para iniciar uma operação de limpeza maciça.

Um ano do tsunami do Japão: Veja antes e depois da reconstrução

Corrente marítima: Moto japonesa aparece no Canadá, suspeita-se que levada por tsunami

Material flutuante, incluindo boias e isopor, foi arrastado para a Ilha Montague, 190 km a sudeste de Anchorage, em volumes que claramente sugerem uma onda de detritos do tsunami mortal causado por um terremoto que atingiu o país em 11 de março de 2011.

"Os dejetos encontrados em inspeções iniciais na ilha revelaram uma quantidade absolutamente sem precedentes de boias, isopores e outros detritos flutuantes", afirmou Patrick Chandler, do Centro de Estudos Costeiros do Alasca.

Ele afirmou que há anos o lixo procedente da Ásia é arrastado até a costa do Alasca, portanto "é incrivelmente difícil afirmar com certeza absoluta que uma parte dos detritos deve-se ao tsunami".

"No entanto, nunca vimos a quantidade que vemos agora. No passado, teríamos encontrado algumas dúzias de boias pretas, usadas na aquicultura japonesa, durante uma limpeza de praias. Agora, vemos centenas", afirmou à AFP, antes de iniciar uma operação de limpeza de praias prevista para começar na quinta-feira e durar 12 dias.

"Não há nenhuma outra fonte possível para esse aumento, além do tsunami. Portanto, nossa conclusão é que talvez essa seja sua origem", acrescentou.

Espera-se que milhões de toneladas de detritos do terremoto japonês sejam arrastadas nos próximos meses e anos. Cientistas havaianos desenvolveram modelos de computador para prever onde e quando podem chegar.

No começo de abril, a Guarda Costeira dos Estados Unidos afundou uma traineira japonesa deserta que apareceu ao longo da costa do Alasca mais de um ano depois de ter ficado à deriva após ser atingida pelo tsunami.

Na costa: Navio 'fantasma' à deriva desde tsunami é afundado a tiros de canhão

Reivindicação: Jovem japonês diz ser dono da bola que tsunami levou para o Alasca

Também no mês passado, um estudante japonês recebeu a notícia de que teria sua bola , avistada na ilha Middleton, no Golfo do Alasca, devolvida.

No começo de maio, a imprensa canadense reportou que uma motocicleta Harley-Davidson com placas de uma das áreas mais afetadas pelo terremoto no Japão tinha sido encontrada por um banhista nas ilhas Haida Gwaii, na costa da Columbia Britânica.

    Leia tudo sobre: japãotsunamiterremotoalasca

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG