Ministros palestinos tomam posse em novo governo na Cisjordânia

Novo executivo será liderado pelo primeiro-ministro Salam Fayyad e contará com 35 ministros, sendo seis mulheres

iG São Paulo |

Os membros do novo governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP), que será liderado pelo primeiro-ministro Salam Fayyad, prestaram juramento nesta quarta-feira ao presidente Mahmoud Abbas após um reforma ministerial de 11 pastas, incluindo a de Finanças, uma das mais sensíveis.

Israel: Após acordo, palestinos presos em Israel encerram greve de fome

O novo Executivo de Fayyad, que dirige o governo da ANP na Cisjordânia desde 2007, consta de 23 ministérios. O novo executivo, formado por 25 ministros (dos quais nove são novos, entre eles os de Economia Nacional, Finanças, Assuntos de Jerusalém e Justiça), conta com seis mulheres.

AP
Fayyad (D) em cerimônia de posse com Abbas e novos ministros em Ramallah, Cisjordânia
Entre as novas nomeações, destaca-se a de Nabeel Kassis como ministro das Finanças, ex-reitor da universidade palestina de Birzeit.

A substituição ocorre em um momento em que a economia palestina passa por um crescente déficit público devido à redução das doações internacionais e a um arrefecimento no crescimento de seu Produto Interno Bruto (PIB), segundo as últimas perspectivas macroeconômicas de entidades internacionais.

Os 23 ministros, informaram as fontes, juraram seus cargos um após o outro em cerimônia na Muqata de Ramallah, onde também estiveram presentes os membros do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

Pouco antes de começar, o chefe da Presidência, Tayeb Abdul Rahim, leu o decreto que encarregava a Fayyad a formação do novo Executivo, reajuste necessário devido à saída de cinco de seus ministros por suspeitas de corrupção.

O gabinete de saída exercia na prática funções de governo interino desde que todos os ministros apresentaram em conjunto sua renúncia por causa do último acordo de reconciliação obtido em fevereiro passado entre o movimento nacionalista Fatah, presidido por Abbas, e o islamita Hamas.

As duas legendas palestinas anunciaram então a realização de eleições em questão de meses, o que não ocorreu.

Nomes

No novo governo, entre os novos nomes estão Walid Assaf (Agricultura), Ali Muhanna (Justiça), Safa Nasser Eldin (Telecomunicações), Roli Maaya (Turismo), Jawad Harzallah (Economia) e Hani Abdeen (Saúde).

O departamento de Educação Universitária foi dividido para transferir uma pasta separada as responsabilidades de Educação, segundo a reorganização elaborada pelo primeiro-ministro.

Outra mudança destacada é a criação, após vários anos, de um Ministério para Assuntos de Jerusalém, que fica nas mãos de Adnan Hosseini.

O reajuste desta quarta-feira é o segundo do governo palestino desde que Fayyad assumiu a chefia em 2007, depois que o movimento islamita - vencedor do pleito um ano antes - pegou em armas contra a ANP e assumiu o controle exclusivo da Faixa de Gaza.

Texas: Primeiro-ministro palestino sofre ataque cardíaco nos EUA

O histórico pacto de reconciliação, que começaram a negociar no início de 2011, ficou em uma situação de limbo. Embora alguns considerem que o reajuste desta quarta-feira possa contribuir para retomar o caminho da unidade, o Hamas o criticou.

"Essa política de remendos não trará nenhum benefício ao povo palestino e não ajudará em nada porque o (novo) governo não está respaldado pelo voto do Conselho Legislativo Palestino", disse o porta-voz do movimento islamita, Fawzi Barhum.

Segundo Barhum, o reajuste "reflete uma insistência e uma má conduta" para tentar "preservar a ilegitimidade e o desacordo". “O que começa mal, termina mal", disse.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: palestinosfayyadabbasgovernocisjordâniagazahamasoriente médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG