Palestinos dizem que carta de Netanyahu trava negociações de paz

Resposta de premiê israelense a Abbas rejeita exigência de que diálogo seja retomado somente após paralisação de assentamentos

Reuters |

A resposta formal do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para as queixas palestinas sobre as paralisadas negociações de paz não contém nada que possa reativar as conversas, disseram neste domingo autoridades palestinas.

Carta: Líder palestino recebe resposta de Israel sobre processo de paz

AP
No campo de refugiados de Jenin, meninos palestinos brincam perto de muro com imagens do líder Yasser Arafat (D) e de policial Akram Abu Sba, ambos mortos
Proposta: Em carta, líder palestino pede negociações de paz a premiê de Israel

A resposta de Netanyahu para uma carta recebida no mês passado do presidente palestino, Mahmoud Abbas , rejeitou a exigência de paralisar a construção de assentamentos judaicos nos territórios ocupados e pede um retorno incondicional às negociações que ruíram em 2010, de acordo com autoridades.

"O conteúdo da carta (de Netanyahu) não representou espaço para o retorno das negociações", afirmou à Reuters Hanan Ashrawi, membro do Comitê Executivo da Organização pela Libertação da Palestina que revisou o documento.

Israel não deu detalhes sobre a carta de Netanyahu, que um assessor levou a Abbas na cidade de Ramallah, na Cisjordânia. Mas autoridades israelenses afirmaram na semana passada que não esperavam que o primeiro-ministro concordasse com a exigência de Abbas de interromper a construção de assentamentos antes de reabrir as negociações.

Após a carta do premiê israelense ter sido entregue, o governo emitiu um comunicado conjunto com os palestinos, dizendo que ambos os lados estão "comprometidos com a obtenção da paz".

Endosso: Parlamento de Israel aprova coalizão entre premiê e Kadima

Poucos diplomatas, contudo, esperam qualquer avanço significativo antes das eleições americanas, em novembro, embora a formação surpresa de um governo de unidade nacional em Israel, na semana passada, tenha trazido alguma esperança.

    Leia tudo sobre: israelpalestinosabbasnetanyahuestado palestino

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG