Trabalhistas pedem renúncia de ministro britânico por ligação com Murdoch

Há revelações de que Jeremy Hunt pediu ajuda da News Corp., de Murdoch, para assessorar governo em caso de escutas ilegais

EFE |

EFE
Ministro da Cultura britânico, Jeremy Hunt, deixa residência oficial de premiê David Cameron, em Londres (8/5)
O Partido Trabalhista do Reino Unido, o mais importante da oposição, pediu neste sábado a renúncia do ministro da Cultura britânico, Jeremy Hunt, após revelações que sugerem que ele pediu ajuda do grupo News Corporation , do empresário Rupert Murdoch, para assessorar o governo no caso das escutas ilegais do Reino Unido .

Investigação: Ex-porta-voz de Cameron presta depoimento sobre escutas ilegais

Os trabalhistas classificaram de "absolutamente inaceitável" a atitude do ministro.

Segundo um e-mail revelado na sexta-feira, o gabinete do ministro da Cultura pediu a Rebekah Brooks , ex-conselheira do News International, braço britânico do império de Murdoch, que auxiliasse Hunt e o governo em sua posição oficial sobre o escândalo das escutas do extinto jornal News of the World .

O documento foi revelado na comissão Leveson, que investiga a ética dos meios de comunicação britânicos. Rebekah, considerada braço direito de Murdoch, prestou depoimento na sexta .

Intimidade: Premiê britânico enviou mensagem 'com muito amor' para executiva de Murdoch

O e-mail enviado em 27 de junho de 2011 dizia também que o ministro faria uma declaração no Parlamento "extremamente útil" sobre a tentativa da News Corp. de adquirir a totalidade das ações da operadora de televisão BSkyB .

O texto afirmava que o ministro faria referência ao escândalo das escutas, mas que o político acreditava que o governo não deveria levar isso em conta para autorizar a compra.

O líder trabalhista, Ed Miliband, disse neste sábado que é "inadmissível" que o ministro de Cultura continue em seu cargo e assegurou que a quantidade de provas sobre seus vínculos com a News Corp. enquanto avaliava a operação da BSkyB torna "insustentável" sua situação.

"Ele se colocou a favor de Rupert Murdoch quando o que deveria ter feito é defender os interesses dos britânicos", criticou Miliband em declarações à BBC. Outros integrantes do partido também pediram a renúncia de Hunt, que voltou a afirmar neste sábado que seu comportamento "não foi inadequado".

A imprensa do Reino Unido considera que as novas revelações aumentam a pressão sobre o ministro da Cultura, que era a pessoa encarregada no governo de autorizar a compra da BSkyB, avaliada em 8 bilhões de libras. A operação foi cancelada após o escândalo das escutas.

Em 25 de abril, um assessor especial do ministro renunciou após reconhecer que os vínculos de Hunt com o império do magnata Rupert Murdoch "foram longe demais".

Adam Smith apresentou sua demissão após a publicação de outros e-mails que revelavam que Hunt apoiou o plano de Murdoch para obter o controle da BSKyB.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG