Líder palestino recebe resposta de Israel sobre processo de paz

Conteúdo do documento não foi revelado; em abril, Abbas pediu retomada de diálogo atendendo a quatro condições palestinas

iG São Paulo |

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, recebeu neste sábado uma carta do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, com a resposta ao documento formulado pelos palestinos com as condições para a retomada do diálogo de paz.

Entenda: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

AFP
Homem vendado participa de protesto de judeus árabes em Jaffa contra a detenção administrativa de prisioneiros palestinos por Israel
A carta foi entregue a Abbas por Yitzhak Molcho, enviado especial do primeiro-ministro, pouco depois das 21h locais (15h de Brasília) em Ramallah, Cisjordânia. Após o encontro, ambas as partes, por meio de um comunicado conjunto, disseram que "Israel e a ANP estão comprometidos em conseguir a paz, e as partes esperam que a troca de cartas entre o presidente Abbas e o primeiro-ministro Netanyahu faça avançar nesse objetivo".

Em 17 de abril, o principal negociador palestino, Saeb Erekat, apresentou a Netanyahu uma carta que resumia as condições para retomar o diálogo de paz, estagnado desde setembro de 2010. Netanyahu devia ter respondido em duas semanas, mas estava ocupado com acontecimentos domésticos e a morte de seu pai .

Em sua carta, Abbas pediu a Israel para esboçar "o quanto antes" suas posições sobre quatro questões principais: o princípio de uma solução de dois Estados com base nas fronteiras anteriores à Guerra de 1967, a suspensão da construção de assentamentos, a libertação de prisioneiros palestinos e a revogação de todas as decisões que prejudiquem os acordos bilaterais desde 2000.

"Estamos prontos para recomeçar imediatamente as negociações no minuto em que recebermos a resposta positiva de vocês sobre esses pontos," escreveu. Anteriormente, Israel tinha dito que queria negociar sem pré-condições.

O gabinete de Netanyahu informou que, em sua resposta a Abbas, ele ofereceria aumentar o nível dos contatos com os palestinos para conversas diretas entre os líderes.

Abbas aproveitou este sábado, que também contou com a presença de Erekat, para pedir a Molcho que Israel atenda às reivindicações dos presos palestinos em greve de fome há 26 dias, informou a agência de notícias palestina Wafa.

Risco: Prisioneiro palestino está à beira da morte após 75 dias em greve de fome

Por enquanto, não foi informado o conteúdo da carta entregue neste sábado a Abbas, mas fontes palestinas disseram que não esperam sucesso nas negociações de paz. Em janeiro, negociadores de ambos os lados tiveram cinco encontros iniciais em uma proposta para encontrar um caminho para retomar o diálogo, mas eles acabaram sem conclusões.

O negociador Erekat alertou que, na ausência de resposta favorável de Netanyahu, Abbas renovará sua campanha "na Assembleia Geral, no Conselho de Segurança e em outros órgãos da ONU" para que um Estado palestino seja reconhecido como membro da organização.

Depois que Abbas enviou sua carta, Netanyahu fechou um acordo surpreendente com o partido opositor Kadima para formar uma nova e ampla coalização no governo. O acordo de união da terça-feira envolve um compromisso de renovar o processo de paz.

Endosso: Parlamento de Israel aprova coalizão entre premiê e Kadima

Netanyahu afirmou que espera que sua decisão possa encorajar os palestinos a retomar as negociações após uma pausa de mais de 20 meses. "Espero que Abbas aproveite essa oportunidade para voltar às negociações. Não sei como avançar nas discussões sem incluir os palestinos", disse.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: israelpalestinosabbasnetanyahuestado palestino

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG