Obama arrecada US$ 15 milhões em jantar com George Clooney

Valor equivalente a quase R$ 29,4 milhões é recorde para um único evento de arrecadação; líder foi ovacionado por apoio a casamento gay

AFP |

Reprodução
Cartaz em comitê de campanha de Obama defende casamento gay. Apoio dado por presidente à medida fez ele ser ovacionado em evento de arrecadação de George Clooney
O presidente americano, Barack Obama, somou ao capital de sua campanha cerca de US$ 15 milhões na noite de quinta-feira durante um jantar de gala organizado pelo ator George Clooney, onde foi aplaudido por seu apoio ao casamento gay .

Tema eleitoral: Obama declara apoio ao casamento gay

Análise: Ao apoiar casamento gay, Obama assume risco calculado

"Arrecadamos esse montante porque todos amam George. Gostam de mim, mas o amam", brincou o presidente diante de cerca de 150 simpatizantes do Partido Democrata, reunidos na casa do astro de Hollywood e ícone das causas liberais.

Apelidado de "Starmageddon", o evento, realizado na luxuosa mansão de Clooney em Studio City, ao norte de Los Angeles, reuniu a nata de Hollywood e de Washington, e engordará em US$ 15 milhões o caixa da campanha de Obama seis meses antes das eleições de novembro , um recorde para um único evento de arrecadação na história das campanhas eleitorais americanas.

Entre as figuras presentes estavam os atores Jack Black, Billy Cristal, Robert Downey Jr., Salma Hayek, Barbra Streisand e Tobey Maguire. O presidente, que busca em novembro a reeleição, aproveitou a ocasião para reiterar seu apoio ao casamento homossexual.

"A verdade é que (o apoio ao casamento gay) foi uma extensão lógica do que se supõe que os Estados Unidos sejam", afirmou Obama enquanto era ovacionado pelo público.

Cada convidado pagou US$ 40 mil para entrar na festa exclusiva, o último de uma série de eventos milionários para sustentar a custosa máquina eleitoral. Para os partidários menos abastados, a campanha de Obama fez um sorteio online de entradas, em que, por apenas US$ 3, era possível ter a chance de se juntar à mesa com o anfitrião e o homenageado.

O caixa de Obama já tinha engordado de maneira considerável na quinta-feira , com a decisão do presidente de apoiar publicamente a união entre os homossexuais, com a qual recuperou parte do entusiasmo da base liberal, atenuado desde sua campanha de 2008.

Arrecadação: Após apoiar casamento gay, Obama recebe US$ 1 milhão em 90 minutos

Polêmica: Romney nega que praticou bullying contra colegas gays na adolescência

Gays e lésbicas ricos, muitos dos quais se concentram na Califórnia e são o sustento de Hollywood, integram uma parcela muito importante dos doadores do presidente e aplaudiram seus comentários.

Desde abril de 2011, o dirigente democrata se dedicou a uma corrida por fundos e participou de mais de 110 eventos de campanha. Segundo as últimas cifras, divulgadas em abril, Obama arrecadou aproximadamente US$ 200 milhões em um ano. Esse dinheiro é fundamental para financiar as viagens de campanhas e comprar espaço publicitário.

Hollywood é uma fonte tradicional de financiamento e de elogios aos presidentes democratas, mas alguns jornalistas insistem na ideia de que a Meca do cinema não se sente tão bem considerada por Obama quanto gostaria.

No entanto, qualquer distância entre Obama e Hollywood provavelmente será reduzida agora, após a declaração em defesa dos direitos dos homossexuais e pelo fato de que muitos no mundo do entretenimento veem Mitt Romney, que se opõe ao casamento gay , como um conservador extremo.

Do contra: Romney reafirma posição contrária ao casamento gay

Os republicanos aproveitaram esse jantar das estrelas para afirmar que a "celebridade em chefe" estava longe do americano comum. "Com a classe média dos EUA se recuperando dos efeitos da falida liderança de Obama, nem mesmo a magia de Hollywood pode ocultar a verdade", disse o presidente do Comitê Nacional Republicano, Reince Priebus, no blog conservador Red State.

Clooney, que ofereceu o jantar em sua mansão de 700 m², chegou à fama em 1994 com a série de televisão "ER" ("Plantão Médico", no Brasil). Indicado sete vezes ao Oscar, levou a estatueta de melhor ator coadjuvante pelo suspense "Syriana", em 2005, e seu drama familiar "Os Descendentes" ganhou neste ano o prêmio de melhor roteiro adaptado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG