Ex-dançarina acusada de recrutar garotas para Berlusconi vai a tribunal

Nicole Minetti, hoje política da região da Lombardia, faz caras e bocas para fotógrafos durante julgamento em Milão

iG São Paulo |

A ex-dançarina Nicole Minetti, líder do partido Povo da Liberdade na região da Lombardia, compareceu nesta sexta-feira ao Tribunal de Milão, onde é julgada por supostamente recrutar garotas de programa para festas na mansão do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi.

Leia também: Três são indiciados por recrutar jovens para festas de Berlusconi

Nicole nega as acusações, assim como dois outros acusados ligados a Berlusconi: Emilio Fede, executivo do império midiárico do ex-premiê, e Dario "Lele" Mora, agente de talentos. Durante o julgamento, Nicole fez caras e bocas para os fotógrafos.

Berlusconi está sendo julgado separadamente por supostamente ter pago para fazer sexo com a marroquina Karima El Mahroug, conhecida como Ruby, que na época seria menor de idade.

O premiê nega a acusação, assim como a de que teria usado seu poder para livrá-la da prisão após um pequeno furto.

Leia também: Berlusconi surpreende e comparece à audiência do caso Ruby

Ruby teria sido chamada por Fede, Mora e Nicole para participar de festas na residência de Berlusconi em Arcore, norte da Itália, assim como 32 mulheres maiores de idade entre 2009 e 2011.

Segundo a promotoria de Milão, Mora e Fede supostamente recrutavam as jovens que participavam das festas "informando-se pessoalmente sobre suas características físicas", enquanto Nicole se encarregava de questões logísticas, como os carros que as levariam para Arcore.

Ainda de acordo com a promotoria, as festa tinham três fases: começavam com um jantar, passavam para um baile erótico do qual Berlusconi participava e terminavam quando ele escolhia uma ou mais garotas para ter relações sexuais.

As “escolhidas” recebiam “somas de dinheiro e outras recompensas diferentes das recebidas pelas demais convidadas".A Promotoria de Milão disse ter baseado sua investigação em inúmeras escutas telefônicas.

    Leia tudo sobre: berlusconiitáliacaso rubynicole minettiescândalo sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG