Karzai pede explicação sobre morte de civis e ameaça pacto com EUA

Presidente afegão condenou bombardeios da Otan que mataram ao menos 10 civis; deputados temem que acordo assinado com Obama não seja aprovado pelo Parlamento

iG São Paulo |

O presidente afegão, Hamid Karzai, pediu explicações nesta segunda-feira ao chefe da missão da Otan no país (Isaf), John Allen, e ao embaixador dos Estados Unidos no Afeganistão, Ryan Crocker, por uma série de bombardeios da aliança que aparentemente causaram desde sábado a morte de pelo menos dez civis.

França: Eleição de Hollande pode acelerar retirada francesa do Afeganistão

AFP
Afegã passa por policial em posto de controle em Cabul
"O presidente encara as operações arbitrárias e os bombardeios de civis da Otan como um assunto soberano afegão e já não pode tolerá-lo mais", afirmou o gabinete presidencial em comunicado.

Segundo a nota, tanto Allen como Crocker foram convocados ao palácio presidencial, onde o militar americano prometeu uma investigação e assumiu pessoalmente a responsabilidade pelos bombardeios.

De acordo com o relato oficial, desde sábado passado pelo menos dez pessoas - entre elas mulheres e crianças - morreram em diferentes bombardeios da Otan sobre as províncias orientais de Logar e Kapisa, em Helmand, e na região de Badghis, no noroeste do país. Testemunhas, no entanto, denunciam a morte de 14 civis nos bombardeios.

Karzai insiste há meses que a morte de civis em operações bélicas é inaceitável, assunto que se transformou em um dos mais polêmicos nas relações entre o Afeganistão e as tropas internacionais presentes no país.

Semanas atrás, o presidente afegão e seu colega americano, Barack Obama, assinaram um acordo estratégico bilateral que fixa as linhas de cooperação civil e financeira até 2024.

Deputados citados pela agência AIP se disseram receosos de que o pacto encalhe no Parlamento afegão em consequência dos ataques.

As tropas internacionais desdobradas no Afeganistão estão imersas em pleno processo de retirada, que deve terminar em 2014, apesar de no país continuarem ativos grupos insurgentes Talibã, em luta para implantar um regime fundamentalista islâmico.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: afeganistãootankarzaicivisobamaeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG