Coalizão de governo da Grécia perde maioria no Parlamento

Partidos que apoiam medidas rigorosas de controle fiscal perdem cadeiras enquanto partido neonazista deve conquistar espaço

iG São Paulo |

Os dois partidos da coalizão de governo na Grécia, que apoiam medidas rigorosas de controle fiscal, perderam a maioria que tinham no Parlamento grego nas eleições gerais de domingo. Os resultados também indicam que o partido neonazista grego Amanhecer Dourado deve conseguir votos suficientes para conquistar cadeiras.

Radicalismo: Pela 1ª vez, partido ultranacionalista deve ter representação no Parlamento

AP
Pedestres passam em frente ao Parlamento grego em Atenas

Com quase todos os votos apurados, o partido de centro-direita Nova Democracia aparece à frente com 19% - bem abaixo dos 33,5% obtidos nas eleições de 2009. A coalizão de partidos de esquerda Syriza - que se opõe às medidas de austeridade fiscal do atual governo - acumula a segunda maior votação, com 16,7%.

O outro partido da coalizão, o socialista Pasok, ficou apenas em terceiro lugar, com 13,3% dos votos (nas eleições anteriores, havia sido o partido mais votado, com 43,9%).

Leia também: Pesquisa aponta dificuldade para formação de governo na Grécia

O líder do Nova Democracia, Antonis Samaras, afirmou que pretende formar um governo de salvação nacional para manter o país na zona do euro, mas acrescentou que planeja "adicionar emendas" ao polêmico acordo acertado para a liberação do pacote de ajuda da União Europeia e do FMI.

O líder do partido Esquerda Democrática, Fotis Kouvelis, disse à Reuters que seu partido não vai aceitar se juntar a nenhuma coalizão com o PASOK ou o Nova Democracia.

"Descartamos participar de um governo PASOK-Nova Democracia", disse Kouvelis após um encontro do partido para definir sua estratégia. "Podemos participar de um governo de coalizão com outras forças progressivas", disse ele, referindo-se a outros partidos de esquerda que juntos não têm assentos suficientes no Parlamento para obter maioria.

Com o Congresso mais dividido das últimas décadas na Grécia, formar uma coalizão poderá ser bastante complicado, Se isso não for possível, uma nova eleição poderá ser convocada no próximo mês.

Com BBC e Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG