Partido do premiê britânico sofre duro golpe em eleições locais

Avanço dos trabalhistas em votações regionais mostra descontentamento dos eleitores em relação ao Partido Conservador, de Cameron

iG São Paulo |

Eleitores britânicos mostraram descontentamento em relação ao Partido Conservador, do primeiro-ministro David Cameron, nas eleições locais desta quinta-feira.

De acordo com resultados divulgados nesta sexta-feira, tendo sido apuradas as urnas de 99 dos 181 conselhos municipais onde houve eleições, o oposicionista Partido Trabalhista elegeu 470 vereadores enquanto os conservadores perderam 279 cadeiras. Seus parceiros na coalizão de governo, os integrantes do Partido Liberal Democrata ficaram perderam 129 cadeiras.

Leia também: Popularidade de premiê britânico atinge pior nível desde eleição

Reuters
O líder trabalhista Ed Miliband comemora vitória de seu partido em eleições de Birmingham, no centro da Inglaterra

Os Trabalhistas ganharam o controle de Birmingham, segunda maior cidade britânica, e Cardiff, a capital do País de Gales, antes em poder dos liberal-democratas.

De acordo com projeções da rede BBC, os resultados divulgados até agora indicam que os trabalhistas conquistaram 39% dos votos nacionalmente, ou seja, três pontos porcentuais a mais do que na eleição anterior, de 2008, quando estavam no governo e se saíram mal nas urnas.

Os conservadores, segundo a estimativa, perderam quatro pontos, ficando com 31%. O Partido Liberal Democrata permaneceu com 16%.

Cameron espera que a provável vitória de seu candidato para a prefeitura de Londres, Boris Johnson, que tenta a reeleição e segundo pesquisas deve vencer, lhe traga algumas manchetes positivas nos jornais.

A escala dos ganhos dos trabalhistas poderá complicar os esforços dos conservadores na próxima eleição majoritária, nas eleições parlamentares marcadas para 2015, já que uma forte presença nos conselhos municipais é uma importante plataforma para construir bons resultados nacionais.

Entre os problemas enfrentados por Cameron estão as denúncias sobre a relação entre seu governo e a empresa News Corporation , de Rupert Murdoch, dona do extinto tabloide News of the World , que está no centro de um escândalo de escutas ilegais . Além disso, no mês passado um importante arrecadador de fundos para o Partido Conservador foi secretamente gravado oferecendo acesso ao primeiro-ministro em troca de dinheiro.

Além disso, muitos interpretaram que o orçamento anual, divulgado em março, impõe que os pensionistas paguem pela redução de impostos para os mais ricos.

A ambiguidade demonstrada na forma de lidar com uma greve no setor de combustíveis gerou pânico e uma taxação sobre alimentos provocou críticas de que Cameron e o círculo próximo a ele não têm preocupação com os mais pobres.

Com Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG