Hillary pede à China mais respeito aos direitos humanos

"Nenhuma nação pode privar os cidadãos" de suas aspirações "à dignidade e ao império da lei", disse a secretária de Estado dos Estados Unidos

EFE |

 A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, assinalou nesta quinta-feira em Pequim que "nenhuma nação pode privar os cidadãos" de suas aspirações "à dignidade e ao império da lei".

A declaração foi dada um dia depois de as duas nações terem enfrentado um conflito diplomático provocado após a Embaixada americana ter dado abrigo ao dissidente Chen Guangcheng.

"Como o presidente (Barack) Obama disse na semana passada, uma China que proteja seus próprios cidadãos será uma nação mais forte e próspera", assinalou a chefe da diplomacia americana na abertura do Fórum Estratégico e Econômico que os Governos das duas potências realizam na capital chinesa.

Na quarta-feira, Hillary conversou com o dissidente Chen Guangcheng para dar seu apoio ao ativista, que passou seis dias refugiado na Embaixada americana em Pequim após fugir de sua prisão domiciliar, criando um dos maiores conflitos diplomáticos entre os dois países em 20 anos.

Após duras negociações entre as autoridades das duas nações, Chen finalmente saiu da legação americana para ser levado a um hospital da cidade, onde pôde reunir-se com sua família, enquanto o Governo chinês exigia desculpas formais dos EUA pelo incidente, ao que Washington não acedeu.

AFP
O dissidente chinês Chen Guangcheng, que fugiu de prisão domiciliar e se abrigou na embaixada americana, é visto em hospital em Pequim

No entanto, o caso continua aberto, já que, enquanto o departamento de Estado assegura que Chen saiu da Embaixada por "vontade própria", este declarou em várias entrevistas que o fez coagido pelas ameaças a sua família por parte das autoridades chinesas.

O diálogo, que teve início nesta quinta-feira e irá durar dois dias, é presidido por Hillary e o secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, pelo lado dos EUA, enquanto a delegação chinesa é liderada pelo vice-primeiro-ministro Wang Qishan e o Conselheiro de Estado Dai Bingguo.

Em seu discurso inaugural, Hillary destacou a importância desta reunião, que é realizada anualmente pelos dois países, assinalando que "China e EUA não podem resolver todos os problemas do mundo, mas, sem sua cooperação, nenhum deles poderá ser solucionado".

A secretária americana citou a importância dessa cooperação em temas como a questão nuclear iraniana, o conflito na Síria e a política do regime norte-coreano. No encontro, os dois países também analisarão questões como uma maior transparência em seus assuntos militares e o aumento da segurança cibernética.

    Leia tudo sobre: chinaeuahillaryChen Guangchengdireitos humanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG