Previsto na Constituição do país, comissão que nunca havia sido formada de fato inclui assessores e conselheiros do presidente

Com estado de saúde debilitado e especulações sobre o futuro político da Venezuela, o presidente Hugo Chávez nomeou políticos para uma importante comissão.

Cuba: Parlamento venezuelano discute nova permissão para Chávez viajar

O Conselho de Estado é classificado na Constituição como o mais alto círculo de assessores e conselheiros do presidente, mas não havia sido efetivamente formado até agora. Mas, em meio à batalha contra o câncer, Chávez anunciou em janeiro que era chegada a hora de constituir o conselho, cujos membros foram apontados na quarta-feira.

Chávez parte para Cuba ao lado da filha Rosa Virgínia (30/4)
AP
Chávez parte para Cuba ao lado da filha Rosa Virgínia (30/4)
De acordo com a rede de TV americana CNN, venezuelanos e observadores internacionais tendem a examinar as escolhas como sinais de transição ou sucessão política quando Chávez se tornar incapaz de governar.

O presidente do conselho será o vice-presidente Elías Jaua, conforme estipula a Constituição venezuelana. Além de Jaua, foram nomeados outros cinco membros: José Vicente Rangel, jornalista que teve uma série de postos importantes abaixo de Chávez, como o de ministro das Relações Exteriores, da Defesa e vice-presidente.

O ex-embaixador para a OEA (Organização dos Estados Americanos) Roy Chaderton, que também é ex-ministro das Relações Exteriores, também foi nomeado para o conselho. Germán Mundaraín, eleito para ser o ombudsman da Assembleia Nacional entre 2000 e 2007, o ex-secretário do Conselho de Defesa Rafael Giacopini e o deputado e escritor Luis Britto García também estão entre os nomes.

Em janeiro passado, Chávez manifestou seu desejo de designar os membros do Conselho, mas apenas na segunda-feira passada, antes de partir para mais uma série de sessões de radioterapia em Cuba, anunciou a montagem do órgão, cuja primeira missão será determinar se o país deve abandonar a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

"É um mecanismo para reforçar a eficácia política nos grandes temas que envolvem o futuro da República", disse o chanceler Nicolás Maduro nesta quarta-feira sobre o Conselho de Estado.

Legislativo e Judiciário

Segundo a Constituição venezuelana, a Assembleia Nacional e a Suprema Corte do país também devem indicar nomes para compor o conselho.

A nomeação dos integrantes do conselho aumenta a especulação sobre quem sucederá Chávez se seu estado de saúde piorar ou ele morrer.

"Todo mundo sabe que o estado de saúde do presidente é delicado, e a criação de um Conselho de Estado agora não pode ser ignorada", destacou o analista John Magdaleno à agência France Press. "Pode se tratar de um organismo de transição ou para o caso de o presidente não poder exercer suas funções ou em preparação da tomada de algumas medidas excepcionais".

*Com AFP e informações da CNN

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.