Sarkozy e Hollande trocam acusações em debate na TV

Em primeiro encontro cara a cara desde início da campanha, presidenciáveis franceses falaram de questões internas, como economia

iG São Paulo |

No único encontro cara a cara de toda a campanha eleitoral, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, acusou repetidamente seu rival de esquerda, François Hollande, de mentir.

Discurso: Hollande segue passos do presidente socialista François Mitterrand

Os comentários acalorados, feitos no debate na TV, refletiram a intensidade da competição, especialmente para Sarkozy, que está atrás nas pesquisas de intenção de voto para domingo. O debate é visto como última chance para que Sarkozy, conhecimento por ser um bom debatedor, atrair os eleitores por trás de sua candidatura para um segundo mandato.

AP
Hollande (E) e Sarkozy (D) se enfrentaram pela primeira vez cara a cara no debate desta quarta-feira
"É mentira! É mentira!", repetiu Sarkozy durante uma troca de acusações sobre políticas econômicas. O candidato socialista também negou várias vezes algumas das afirmações de Sarkozy, insistindo: "Eu nunca disse isso."

Sarkozy chamou seu adversário de "pequeno caluniador", ao ser acusado de ter nomeado amigos para ministérios e demais órgãos públicos. "Você nomeou amigos em todas partes", acusou Hollande. E Sarkozy logo respondeu: "Isso é uma mentira, uma calúnia. Você é um pequeno caluniador ao dizer isso".

O debate, único momento em que os dois se enfrentaram antes do segundo turno, centrou-se em questões internas como a economia fraca, a imigração e a integração dos muçulmanos franceses. O resultado das eleições na França é considerado crucial para o resto da Europa, uma vez que o país é o principal motor econômico em um momento em que a zona do euro está tentando sair de uma crise financeira.

Enquanto Sarkozy defende que a França precisa fazer mais para cortar gastos e dívidas, Hollande promete programas financiados pelo governo.

Hollande disse que queria ajudar os necessitados, uma vez que “os privilegiados” haviam sido protegidos por Sarkozy. “Serei um presidente para a justiça porque estamos atravessando uma grave crise que golpeia, particularmente, o mais modesto de nós (...) aqueles que são mais vulneráveis.”

Ele também acusou Sarkozy de não assumir a responsabilidade das dificuldades econômicas que a França estava sofrendo, apontando sempre a crise econômica como culpada. “Com você é muito simples: nunca é sua culpa”, disse Hollande.

Em réplica, o presidente francês contestou seu rival, dizendo que a França havia feito melhor que outros países europeus frente à atual conjuntura econômica. “Qual país não conheceu um quarto de recessão desde 2009? É a França”, disse Sarkozy. O presidente também acusou Hollande de representar os sindicatos em vez de toda a França. “É muito bonito falar sobre unir as pessoas, mas tem de ser colocado em prática”, atacou.

O presidente francês defendeu seu histórico econômico, insistindo que a França não passou por um período de recessão desde 2009 sob sua liderança. Hollande, no entanto, rebateu dizendo que o país passa por uma “crise grave” e reage com o crescimento lento.

Muçulmanos

Hollande disse ainda que não cederia a pressões da comunidade islâmica no país e não permitiria menus específicos para muçulmanos em restaurantes ou mesmo piscinas separadas para homens ou mulheres.

O socialista disse com firmeza que proibirá o uso do véu muçulmano que cobre os rostos das mulheres, em um tom mais firme do que vinha apresentando. O candidato socialista endureceu o discurso depois do primeiro turno, de olho nos votos que recebeu Marine Le Pen, a política de extrema direita que obteve 18% na primeira fase da eleição.

"Quero ser o presidente da união. Os franceses estão uns contra os outros, divididos. Quero reuni-los. É esse sentido de mudança que eu proponho", declarou Hollande.

O debate, transmitido em rede nacional na França, começou às 18h (em Brasília). Cerca de um terço dos 63 milhões de habitantes franceses assistiram ao debate pela TV, que foi chamado pela imprensa local de “o último duelo” ou “a confrontação final”.

*Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: eleição na françasarkozyhollandedebatetvsegundo turno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG