Obama: Morte de Bin Laden foi dia mais importante de minha presidência

Em entrevista que será divulgada hoje pela NBC, presidente dos EUA relembra operação que matou líder da Al-Qaeda há um ano

AFP |

O presidente americano, Barack Obama, afirmou que a morte de Osama Bin Laden há um ano foi o dia mais importante de sua presidência, em uma entrevista que será divulgada ainda nesta quarta-feira pelo canal NBC e que foi concedida na sala da Casa Branca onde Obama e outras autoridades acompanharam a operação contra o líder da Al-Qaeda.

Plano frustrado: Bin Laden queria reformar 'marca' Al-Qaeda, diz autor de livro

Divulgação/Casa Branca
Presidente Barack Obama e Hillary Clinton observam com atenção imagem da operação que culminou na morte de Osama bin Laden
Um ano depois: EUA divulgarão últimos textos escritos por Bin Laden

Obama, que na terça-feira fez uma visita surpresa ao Afeganistão , concedeu na semana passada uma entrevista ao canal NBC dedicada ao ataque que matou o líder da Al-Qaeda no Paquistão, uma missão que sempre foi cercada pelo maior segredo. "Devia ser uma operação muito discreta", afirmou Obama em declarações que devem ser divulgadas na noite desta quarta-feira e que tiveram alguns trechos postados no site do canal.

O presidente enfatizou que "apenas um punhado de membros da equipe da Casa Branca estava a par da missão" e ele só falou a respeito com sua mulher, Michelle, quando a operação terminou.

Obama explicou que tomou a decisão sozinho, depois de consultar os membros mais próximos de sua equipe, principalmente o vice-presidente Joe Biden, a secretária de Estado Hillary Clinton, o secretário de Defesa na ocasião, Robert Gates, e o chefe do Estado-Maior conjunto Michael Mullen.

"Decidi correr o risco. A razão pela qual tomei a decisão de enviar os (comandos da marinha) Seals para tentar capturar ou matar Bin Laden em vez de outras opções é que tinha total confiança neles", declarou. As autoridades tinham 50% de certeza de que Bin Laden estaria em um complexo na cidade de Abbottabad , no Paquistão.

Hillary e o chefe da CIA na época, Leon Panetta, inclinaram-se por um ataque de comandos, mas Gates preferia um bombardeio. Após o ataque, e antes de anunciar o êxito da operação aos americanos, Obama telefonou para Michelle, segundo a NBC. "Disse a ela que certamente não jantaria porque tinha duas ou três coisas para fazer naquela noite", contou o presidente.

Em meio a um ano eleitoral em que tenta a reeleição, Obama tenta capitalizar novamente a seu favor a repercussão positiva que teve junto à opinião pública a notícia da morte do inimigo público número 1 dos Estados Unidos no ano passado.

No discurso que fez na véspera , durante sua visita surpresa ao Afeganistão, Obama declarou que o objetivo de derrotar a Al-Qaeda e impedir que ela volte está agora ao alcance. Ele também fez um novo apelo aos militantes do grupo islâmico Taleban para que rompam com a rede terrorista, responsável pelos ataques do 11 de Setembro contra os EUA em 2001, e pediu avanços nas negociações de reconciliação.

"Em coordenação com o governo afegão, minha administração manteve negociações diretas com o Taleban", disse Obama em discurso na Base Aérea de Bagram. "Dissemos claramente que eles podem fazer parte do futuro se romperem com a Al-Qaeda e aderirem às leis afegãs. Muitos membros indicaram interesse na reconciliação." "O caminho para a paz está pronto para eles. Aqueles que se recusarem a percorrê-lo enfrentarão as forças de segurança afegãs auxiliadas pelos EUA e por nossos aliados."

Mas, além dos soldados, Obama tentou dirigir-se principalmente a seus compatriotas quase 11 anos depois da invasão pelos EUA do Afeganistão em decorrência do 11 de Setembro e da posterior derrubada do regime taleban, que apoiava a Al-Qaeda e seu líder.

Traição: Esposa ciumenta a serviço da Al-Qaeda entregou Bin Laden, diz general

"Reconheço que muitos americanos estão fartos da guerra. Como presidente, nada é mais pungente do que assinar uma carta a uma família (de soldado morto) e olhar nos olhos de uma criança que crescerá sem mãe ou sem pai", disse. "Não deixarei os americanos em perigo nem um dia além do absolutamente necessário para nossa segurança nacional. Mas devemos colocar fim a essa guerra de forma responsável", completou.

AP
Membros do partido paquistanês Jamiat Ulema-e-Islam seguram cartaz do líder da Al-Qaeda Osama bin Laden, morto há um ano, durante protesto em sua homenagem em Quetta
Leia também: Obama e Karzai assinam acordo estratégico no Afeganistão

Horas depois de sua visita, os militantes do Taleban atacaram uma residência para estrangeiros em Cabul e deixaram sete mortos. Além disso, anunciaram o início, a partir de quinta-feira, de uma "ofensiva de primavera" no Afeganistão contra as forças da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e todos os aliados que sustentam o governo afegão.

    Leia tudo sobre: obamabin ladeneleição nos euaeuaafeganistãopaquistãotalebanal qaeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG