Romney acusa Obama de politizar morte de Bin Laden

Republicano critica declaração de Robert Gibbs e garante que ele, como qualquer americano, também ordenaria morte de terrorista

iG São Paulo |

O republicano Mitt Romney, provável candidato do partido nas eleições presidenciais americanas, criticou nesta terça-feira o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por fazer do assassinato de Osama Bin Laden um “evento político”.

O criador da Al-Qaeda voltou a ser assunto na imprensa dos EUA por causa do aniversário de um ano da operação americana que culminou com sua morte, anunciada em 2 de maio de 2011.

Leia também: EUA divulgarão últimos textos escritos por Bin Laden

AP
Romney concede entrevista em Nova York ao lado do ex-prefeito Rudolph Giuliani

Romney criticou um comentário de Robert Gibbs, ex-porta-voz da Casa Branca e atual integrante da campanha de Obama pela reeleição, de que não está claro se o pré-candidato republicano ordenaria a morte do terrorista, como fez o democrata.

“Acho muito decepcionante que o presidente politizar o assunto sugerindo que eu não teria ordenado o ataque”, disse Romney, que está em Nova York para marcar o aniversário da morte de Bin Laden. “É claro que teria. Qualquer americano teria.”

Em resposta, partidário de Obama correram para lembrar que, em 2008, quando também disputou a corrida republicana pela Casa Branca, Romney discordou quando Obama disse que “iria atrás de terroristas” dentro do Paquistão com ou sem a aprovação do presidente paquistanês – como foi a operação que matou Bin Laden.

Obama tem aproveitado o aniversário do assassinato do terrorista para promover sua política de segurança nacional.

Na segunda-feira, o governo americano anunciou a divulgação dos últimos textos escritos por Bin Lados e confiscados na mansão onde ele vivia no Paquistão.

O material inclui cartas entre o terrorista e membros da Al-Qaeda e textos escritos à mão em um diário.

Gingrich

Também nesta terça-feira, o pré-candidato republicano Newt Gingrich divulgou um vídeo na internet confirmando que suspenderá sua campanha na quarta-feira. Na semana passada, Gingrich já havia indicado sua desistência .

Nas imagens, ele agradeceu seus partidários e disse que continuará trabalhando para derrotar Obama, dizendo que a reeleição do democrata seria um “verdadeiro desastre” para o país.

Ele não fez nenhuma menção de apoio a Romney.

Com AP e Reuters

    Leia tudo sobre: eleição nos euaromneyobamabin ladeneua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG