Líder da extrema direita da França anuncia voto em branco no 2º turno

Terceira colocada na primeira etapa da eleição presidencial, Marine Le Pen descarta apoio tanto a Sarkozy quanto a Hollande

iG São Paulo |

A líder da extrema direita da França, Marine Le Pen, afirmou nesta terça-feira que não apoiará nenhum dos dois candidatos que disputam o segundo turno das eleições presidenciais – Nicolas Sarkozy e François Hollande – e anunciou que votará em branco neste domingo, em protesto.

“Cada um de vocês deve fazer sua própria escolha”, disse Marine, terceira colocada no primeiro turno , aos eleitores que lhe deram cerca de 18% dos votos.

Leia também: Sarkozy processará site por denúncia envolvendo Kadafi

AP
Marine Le Pen discursa ao lado do pai, Jean-Marie Le Pen, em Paris, na França

Os votos dos partidários de Marine Le Pen podem ser decisivos na eleição de domingo. Ciente disso, nas últimas semanas Sarkozy endureceu seu discurso principalmente em relação à imigração na França, tentando conquistar o eleitorado mais conservador. O presidente, porém, descartou fechar um acordo com o partido da candidata, a Frente Nacional.

Nesta terça-feira, Le Pen acusou Sarkozy de “empobrecer a França e entregar parte da soberania à União Europeia”. Ela pediu que seus partidários se concentrem na eleição parlamentar do mês que vem, na qual espera que a Frente Nacional consiga ter representação pela primeira vez desde 1986.

Uma pesquisa da Ipsos-Logica divulgada nesta segunda-feira mostrou Hollande na frente com 53% dos votos 47% de Sarkozy.

O presidente francês aproveita o Dia do Trabalho para fazer campanha e tentar conquistar os eleitores indecisos e da extrema direita.

Em uma entrevista à rádio RMC nesta terça-feira, ele voltou a dizer que a França tem “ imigrantes demais ”.

“Nosso sistema de integração não funciona porque antes de conseguirmos integrar os que chegaram a nosso território, outros já chegaram”, explicou. “Nunca defenderei imigração zero, mas a realidade é que, se você convida mais gente do que pode, já não consegue integrá-las.”

Sarkozy, que ocupa a Presidência desde 2007, prometeu reduzir o grande deficit orçamentário francês e combater a evasão fiscal. Ele também defende um ato chamado Buy European (Compre Produtos Europeus) para contratos públicos e ameaçou tirar a França da zona migratória comum europeia, alegando que alguns países-membros não têm feito o bastante para conter a imigração de não-europeus.

Já Hollande prometeu aumentar impostos sobre grandes corporações e pessoas que ganham mais de 1 milhão de euros por ano. Também defendeu um aumento no salário mínimo, a contratação de mais 60 mil professores e a redução na idade para aposentadoria de alguns trabalhadores, de 62 a 60.

Se eleito, Hollande será o primeiro presidente esquerdista da França desde François Mitterrand, que cumpriu dois mandatos entre 1981 e 1995. Sarkozy seria então o primeiro presidente a não vencer um segundo mandato desde Valery Giscard d'Estaing, em 1981.

Salários, pensões, impostos e desemprego são apontados como as principais preocupações dos eleitores franceses na atual votação.

Com AP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG