Decreto presidencial inclui área rica em petróleo que provocou onda de violência no limite entre os dois países

O presidente do Sudão, Omar Hassan Ahmad al-Bashir, declarou neste domingo estado de emergência em várias zonas na fronteira com o Sudão do Sul, após a intensificação dos enfrentamentos entre os dois países nas últimas semanas.

De acordo com o decreto presidencial, a medida de exceção já entrou em vigor em várias localidades situadas nas conflituosas províncias de Kordofan do Sul, Nilo Azul e Senar.

Leia também: Sudão declarou guerra ao Sudão do Sul, diz presidente sul-sudanês

Entre as regiões se encontram também a disputada zona de Abyei, rica em petróleo, e a cidade de Teludi, a segunda maior de Kordofan do Sul e cenário dos enfrentamentos entre rebeldes e o exército sudanês que causaram 50 mortes em novembro.

Nas últimas semanas, houve fortes choques após as forças de segurança de Juba terem ocupado em 10 de abril a área petrolífera de Heglig, cujo controle foi recuperado por Cartum dez dias depois.

O regime do Sudão do Sul denunciou que as tropas do país vizinho penetraram em seu território para atacar zonas próximas à fronteira.

O ministro da Informação sul-sudanês, Barnaba Marial Benjamin, disse hoje à Agência Efe que as tropas de Cartum voltaram a bombardear ontem zonas do estado de Unity, no Sudão do Sul.

Em relação à mediação da União Africana (UA), Benjamin assegurou que seu país aceita o plano de paz proposto pela organização.

O Sudão do Sul, o país mais jovem do mundo, foi criado em 9 de julho após a celebração de um plebiscito no qual os habitantes do país votaram pela independência da nação.

Com EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.