Ambos os grupos irão levar às Nações Unidas a questão da greve de fome de palestinos em prisões israelenses

O secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al Araby, e o líder do movimento palestino Hamas, Khaled Meshaal, acordaram neste domingo apresentar às Nações Unidas o tema dos prisioneiros palestinos em greve de fome retidos em prisões israelenses.

Após a reunião mantida com uma delegação do Hamas presidida por Meshaal, Al Arabi disse aos jornalistas na sede da organização pan-árabe no Cairo que decidiram "internacionalizar o tema dos presos palestinos e árabes presos em Israel que entraram em uma greve de fome há 12 dias".

Cronologia: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos


Meshaal afirmou que Al Arabi prometeu convocar uma sessão extraordinária da Assembleia Geral da ONU para tratar deste assunto, assim como apresentá-lo perante organizações internacionais humanitárias.

O líder palestino também afirmou que é preciso "pôr fim às violações israelenses" dos direitos do povo palestino e libertar o restante dos presos retidos em Israel. No dia 17, mais de mil presos palestinos em prisões israelenses iniciaram uma greve de fome para protestar por suas condições de detenção.

Leia mais:
Israel concede status legal a três colônias na Cisjordânia

Palestinos obtêm status de membro pleno da Unesco
Após Unesco, palestinos querem pedir adesão a outras 16 agências da ONU

Os réus pedem o fim das penas de isolamento, permissão para as visitas de familiares de Gaza e aqueles da Cisjordânia que estejam proibidos, a melhora das condições de detenção e o fim das batidas noturnas e das revistas a seus parentes.

No dia 18 de outubro, 447 prisioneiros palestinos foram soltos como primeira parte da troca negociada para libertar o soldado israelense Gilad Shalit, último passo de uma longa série de trocas de presos entre Israel e grupos sírios, palestinos e libaneses com os quais possui um sangrento conflito.

Além do assunto dos presos, Al Arabi e Meshaal trataram sobre os avanços na reconciliação palestina. Neste sentido, Meshaal assegurou que alcançará a formação de um Governo nacional presidido pelo líder da Autoridade Nacional Palestina e do grupo Fatah, Mahmoud Abbas.

Fatah e Hamas puseram fim a quatro anos de divisão com um acordo assinado no Cairo no dia 4 de maio de 2011, enquanto em fevereiro acordaram em Doha que Abbas dirija o Governo de união nacional. No entanto, Fatah denunciou em várias ocasiões que o Hamas está dificultando este processo e a realização de eleições na Faixa de Gaza.

Durante sua estadia no Cairo, Meshaal também se reuniu com o ministro egípcio de Relações Exteriores, Mohammed Amro, que destacou a importância da formação de um Governo nacional palestino para "enfrentar os desafios da Palestina".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.