Sob pressão, ministro britânico divulgará emails sobre negócios de Murdoch

Jeremy Hunt tenta permanecer no cargo após mensagens sugerirem relacionamento impróprio entre o ministério e a News Corp

iG São Paulo |

O ministro da Cultura do Reino Unido, Jeremy Hunt, afirmou nesta sexta-feira que divulgará todos os emails e mensagens de texto que enviou a um assessor sobre a tentativa da News Corporation , de Rupert Murdoch, de comprar uma operadora de televisão por satélite, abandonada após o escândalo de escutas ilegais do extinto tabloide News of the World .

Hunt está sendo pressionado para deixar o cargo após a divulgação de emails sobre a compra da BSkyB trocados entre autoridades da News Corp e o assessor do ministro, Adam Smith, que renunciou ao cargo nesta semana por causa das mensagens.

Leia também: Murdoch admite operação para esconder grampos e pede desculpas

AP
Manifestante fantasiado de Rupert Murdoch segura marionetes do premiê britânico, David Cameron (esq), e do ministro da Cultura, Jeremy Hunt

“Vou entregar todos os meus emails e mensagens privadas a meu assessor ao inquérito judicial (que investiga o comportamento da imprensa britânica e foi criado após o escândalo de escutas)”, disse Hunt. “Estou confiante de que isso mostrará como minha posição durante a negociação sobre a BSkyB foi de total integridade.”

Hunt era responsável por decidir se a News Corp poderia tomar o controle total da operadora de TV, da qual já detinha cerca de 39% das ações – e sua decisão, anunciada em 2011, foi favorável à empresa. Agora, os 163 emails levantaram suspeitas sobre um relacionamento próximo demais entre o ministério e a News Corp.

A maior parte das mensagens foi trocada entre Frederic Michel, lobista da News Corp, e o assessor de Hunt. Em email enviado ao filho de Murdoch, James , Michel escreveu que Hunt tinha pedido ajuda para “encontrar o máximo de erros” em um relatório que levantou questões sobre a possibilidade de a oferta de compra representar concentração de mercado.

Em 24 de janeiro de 2011, um dia antes de Hunt anunciar sua decisão ao Parlamento, Michel enviou um email para Rupert Murdoch que dizia: “Consegui informações sobre os planos para amanhã (embora totalmente ilegais!). Pronunciamento à imprensa às 7h30. Várias questões legais em torno do pronunciamento, então ele tentou pegar uma versão que nos ajuda ao qualificar os problemas (identificados no relatório).”

Ao renunciar ao cargo de assessor de Hunt, Smith disse que os emails criaram a percepção de que a News Corp tinha um relacionamento “próximo demais” ao ministério. Ele afirmou ter agido sozinho, sem autorização de seu superior.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, rejeitou pedidos da oposição pela criação de um inquérito separado para investigar o caso e afirmou que o secretário tem “todo o seu apoio pelo excelente trabalho que faz”.

As denúncias de que o News of the World grampeou os telefone de centenas de celebridades e cidadãos comuns levou Rupert Murdoch a fechar o tabloide e deu início a três investigações policiais, este inquérito judicial e mais de cem processos.

Pressionado, James Murdoch renunciou à presidência executiva da News International , braço europeu da News Corp que publicava o tabloide, bem como à direção da BSkyB . Tanto o pai quanto o filho prestaram depoimento ao inquérito judicial nesta semana.

Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: news of the worldreino unidohuntcameronmurdochgrampos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG