Sudão declarou guerra ao Sudão do Sul, diz presidente sul-sudanês

Declaração é feita por Salva Kiir durante visita à China, que é grande comprador de petróleo das duas nações

iG São Paulo |

O presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, afirmou nesta terça-feira em Pequim que Cartum "declarou guerra" contra seu país, depois de semanas de confrontos ao longo da fronteira comum entre os dois Estados.

Reuters
Presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir Mayardit (E), ouve hinos nacionais ao lado de presidente chinês, Hu Jintao, durante visita a Pequim
Leia também: Sudão do Sul denuncia novos ataques sudaneses em região petrolífera

"Minha visita ocorre em um momento crítico para a República do Sudão do Sul, pois nosso vizinho de Cartum declarou guerra ao nosso país", disse Kiir ao presidente chinês Hu Jintao durante uma visita oficial à China, que é um grande comprador de petróleo das duas nações, mas tem sido um aliado de longa data do presidente do Sudão, Omar al-Bashir.

A visita à China de Kiir pode ter um efeito positivo pelos investimentos de Pequim na região, que obrigam as autoridades do gigante asiático a tentar acalmar os ânimos entre Sudão e Sudão do Sul. Após as declarações de Kiir, o presidente da China pediu calma às duas partes.

O Sudão do Sul se tornou independente no ano passado depois de décadas de conflito e sob um acordo de paz de 2005 que encerrou a guerra civil. Mas ambos os lados estão em desacordo sobre a marcação da fronteira, a propriedade dos territórios ricos em minérios e sobre quanto o Sudão do Sul deve pagar para exportar seu petróleo através do Sudão.

Ao menos um civil morreu e outros ficaram feridos na segunda-feira, quando forças sudanesas bombardearam um mercado nos arredores da cidade de Bentiu. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou o ataque e pediu ao Sudão que interrompa "todas as hostilidades imediatamente".

Nesta terça-feira, Taban Deng, governador do Estado de Unidade sul-sudanês, acusou a aviação sudanesa de bombardear várias regiões petroleiras na fronteira com o Sudão do Sul, mas o porta-voz do Exército sudanês, Al-Sawarmi Khalid, negou a informação.

Já o porta-voz do Exército do Sudão do Sul, Philip Aguer, afirmou que uma aeronave Antonov sudanesa havia entrado até 40 km dentro de seu território para lançar bombas nos povoados de Teschween, Panakuach e Roliaq. "Não temos um cessar-fogo com Cartum (capital do Sudão). Cartum está declarando guerra dia a dia", disse.

Um repórter da Reuters em Bentiu disse ter ouvido bombardeio pesado a distância e também ter visto sinalizadores disparados para o ar durante toda a noite.

O serviço de inteligência militar do Sudão do Sul afirmou que o Exército de Cartum prepara uma ofensiva contra Bentiu, capital de Unidade, situado a 60 km da fronteira. Os confrontos na fronteira entre os dois países são intensos desde o fim de março e quase pararam toda a produção de petróleo, que é essencial para ambas as economias.

O Sudão do Sul anunciou na sexta-feira a sua retirada do disputado campo de petróleo de Heglig , do qual se havia apossado no início deste mês, curvando-se às exigências do Conselho de Segurança da ONU. Outra área em disputa é a cidade de Abyei.

Arte/ iG
Países disputam área responsável pela terceira maior produção de petróleo da África Subsaariana
*BBC, Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: sudãosudão do sulhegligeuapetróleobashirkiirhu jintaochinaabyei

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG