Sudão do Sul denuncia novos ataques sudaneses em região petrolífera

Presidente do Sudão diz que negociação sobre Heglig, área disputada pelos dois países, será com 'fuzis e balas'

iG São Paulo |

O governo do Sudão do Sul denunciou nesta segunda-feira novos bombardeios do Exército sudanês em Heglig, área rica em petróleo localizada na fronteira e alvo de disputas entre os dois países.

Leia também: Sudão do Sul anuncia retirada de tropas de região petrolífera na fronteira

Reuters
Moradora do Sudão do Sul tenta corer de ataque da Força Aérea Sudanesa em Rubkonam perto de Bentiu
A região foi palco de combates violentos nas duas últimas semanas e a esperança por um acordo havia aumentado na sexta-feira, quando o Sudão do Sul anunciou a retirada de suas tropas do local. 

De acordo com o governo do país, os bombardeios tiveram como alvo um mercado e um campo de petróleo e deixaram ao menos dois mortos. As forças do Sudão também teriam invadido o território do país vizinhi com tanques e artilharia pesada. “Atendemos aos apelos para deixar Heglig, mas continuam nos bombardeando”, disse o diretor-adjunto dos serviços secretos do Sul, Mac Paul.

Reuters
Soldado observa aviões enquanto tenta se proteger deitado ao lado de estrada durante ataque aéreo em Rubkona, no Sudão do Sul
A comunidade internacional fez vários apelos por diálogo, mas nesta segunda-feira o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, ordenou que a ação militar garanta a retirada de todos os soldados do país vizinho de seu território. “Não se negocia com essa gente”, afirmou. “Com eles, negociamos com fuzis e balas.”

Nesta segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um apelo pelo fim da violência e pela retomada de negociações. A França também condenou o bombardeio e convocou os dois governos a respeitar os civis.

As tropas do Sudão do Sul, que conquistou sua independência em julho passado, invadiram a região de Heglig em 10 de abril. Por causa do conflito, a produção de petróleo na região foi suspensa, enfraquecendo ainda mais a economia sudanesa, em crise desde a divisão do país, que deixou três quartos das reservas no Sul.

Um depósito e oito geradores foram destruídos por um incêndio e o petróleo se espalhou pelo local administrado pelo consórcio majoritariamente chinês Greater Nile Petroleum Operating Compay (GNPOC), indicou a agência France Presse.

Os combates também provocaram a fuga de cerca de 5 mil habitantes de Heglig e das cidades vizinhas, segundo um informe das autoridades sudanesas citado pela ONU.

AP
O presidente do Sudão, Omar al-Bashir, faz discurso para militares em Heglig, área disputada na fronteira com o Sul

Com AP e AFP

    Leia tudo sobre: sudãosudão do sulhegligeuapetróleo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG