Sarkozy busca votos da extrema direita para vencer segundo turno

Presidente francês quer conquistar eleitorado de Marine Le Pen para reverter vantagem de Hollande na eleição

iG São Paulo |

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, buscará o apoio da extrema direita para vencer o segundo turno das eleições presidenciais, após o bom desempenho do partido Frente Nacional no primeiro turno , realizado neste domingo. A candidata da legenda, Marine Le Pen, ficou em terceiro lugar , com 18% dos votos, atrás de Sarkozy (27,1%) e do socialista François Hollande (28,6%).

Em discurso neste domingo, Sarkozy disse ter “ouvido a voz” dos eleitores de Marine. “Uma resposta deve ser dada (para o alto índice de votos da extrema direita)”, afirmou o presidente, prometendo aumentar a rigidez da política migratória. “Estamos falando do respeito às nossas fronteiras, da luta contra a terceirização no exterior, de controles de imigração. Em um mundo que muda tão rápido, a preocupação das pessoas em preservar o seu modo de vida é o tema central nesta eleição.”

Leia também: Marine Le Pen é a grande surpresa do primeiro turno na França

AP
O presidente da França, Nicolas Sarkozy, concede entrevista em frente à sede de sua campanha em Paris

De acordo com estatísticas, uma em cada cinco pessoas votou em Marine Le Pen, incluindo jovens e trabalhadores de classe média, colocando-a à frente de outros sete candidatos.

Esta é a primeira vez que um presidente francês concorrendo à reeleição não consegue vencer o primeiro turno desde a Quinta República Francesa, iniciada em 1958. Segundo três pesquisas realizadas logo após o encerramento do primeiro turno, Hollande se mantém favorito e ganharia com facilidade o segundo turno. Segundo uma pesquisa do instituto Ifop, divulgada na noite de domingo, Hollande venceria o com 54,5% dos votos, enquanto o presidente Sarkozy obteria 45,5%.

No domingo, Hollande disse estar confiante. “Sou o candidato de todas as forças que querem virar a página”, afirmou. Mas ele disse que ainda há “uma campanha eleitoral pela frente” e que “é preciso respeitar a escolha dos franceses”.

O primeiro turno das eleições presidenciais foi marcado pelo que analistas viram como "voto de protesto" contra Sarkozy. Quase 30% dos eleitores franceses votaram na extrema direita ou na extrema esquerda. O candidato da extrema esquerda, Jean-Luc Mélenchon, da Frente de Esquerda, associada aos comunistas, obteve 11,11% dos votos.

Os votos dos eleitores da Frente Nacional e dos centristas do candidato François Bayrou (quinto colocado na votação, com 9,3 % dos votos) serão a chave do segundo turno das eleições presidenciais, apontam analistas.

As pesquisas divulgadas no domingo apontam que entre 50% e 60% dos eleitores de Marine Le Pen apoiariam Sarkozy no segundo turno. O restante poderia votar em Hollande ou se abster na votação.

Mas, para vencer, Sarkozy teria de ampliar essa margem de apoio, o que não será uma tarefa fácil, segundo analistas, já que existe um sentimento de rejeição em relação a Sarkozy em parte do eleitorado.

O presidente já tinha, no primeiro turno, o objetivo de atrair o eleitorado da extrema direita com discursos sobre a meta de reduzir a imigração pela metade, mas sua estratégia fracassou.

O presidente convidou o adversário para três debates nas próximas duas semanas até o segundo turno, onde os dois discutiriam economia, questões sociais e relações internacionais. Hollande, porém, rejeitou a ideia, e disse que um único debate, como é tradição, seria o suficiente.

Com BBC

    Leia tudo sobre: eleição na françasarkozymarine le penhollandefrança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG