Vigia lamenta morte de jovem negro no qual atirou nos EUA

Acusado de matar Trayvon Martin, George Zimmerman poderá aguardar julgamento em liberdade se pagar US$ 150 mil

iG São Paulo |

O vigia George Zimmerman, acusado de matar o jovem negro Trayvon Martin na cidade de Sanford, na Flórida, pediu desculpas aos familiares do garoto de 17 anos durante uma audiência judicial nesta sexta-feira, em seu primeiro pronunciamento sobre o caso. O juiz Kenneth Lester decidiu que Zimmerman poderá aguardar o julgamento em liberdade se pagar uma fiança de US$ 150 mil (cerca de R$ 280).

Leia também: Vigia que disparou contra jovem negro nos EUA vai a tribunal

AP
George Zimmerman participa de audiência judicial em Sanford, na Flórida

“Gostaria de dizer que lamento a perda do seu filho”, disse o vigia aos pais de Martin, que estavam no tribunal. “Não sabia quantos anos ele tinha, achei que era um pouco mais jovem do que eu. Não sabia se ele estava ou não armado.”

O pedido de desculpas não comoveu Natalie Jackson, uma das advogadas da família. “Foi uma das desculpas menos significativas que já vi”, afirmou. Advogados do vigia disseram que ele deve ser solto nos próximos dias e que passará a morar em outro Estado por causa de ameaças contra sua família.

A morte de Martin, 17 anos, levou a uma onda de protestos na Flórida e em outras partes do país contra a impunidade e a favor dos direitos civis.

Martin voltava de uma loja de conveniência quando Zimmerman começou a segui-lo. Minutos depois, os dois começaram a brigar e o vigia sacou sua arma.

Segundo Zimmerman, o tiro foi dado em legítima defesa. Ele disse à polícia que Martin o havia atacado depois que ele havia desistido de perseguir o adolescente e estava retornando para seu veículo.

Na audiência desta sexta-feira, o juiz determinou várias condições para a libertação de Zimmerman. Ele não poderá ter acesso a armas, ingerir bebidas alcoólicas ou usar drogas ilegais, além de respeitar um toque de recolher das 19h às 6h. Seu passaporte foi confiscado.

Mais cedo, os pais do vigia testemunharam por telefone, por causa de temores em relação à sua segurança. A mãe de Zimmerman, Shellie, disse que ele não é uma pessoa violenta, enquanto o pai, Robert, descreveu ferimentos no corpo do filho que teriam sido resultado do confronto com Martin.

Com EFE e AP

    Leia tudo sobre: euatrayvon martingeorge zimmermanjovem negroflórida

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG