Afirmando que Israel privou Autoridade Palestina de 'sua razão de ser', Abbas pede que Netanyahu negocie com base na fronteira de 1967

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, recebeu nesta terça-feira uma carta de Mahmud Abbas na qual o presidente palestino afirma que Israel privou a Autoridade Palestina de "sua razão de ser" e insta o governante israelense a retomar as negociações de paz com base nas fronteiras de 1967.

Entenda: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

Soldados israelenses disparam gás lacrimogêneo contra manifestantes palestinos durante confrontos do lado de fora de prisão militar de Ofer
AP
Soldados israelenses disparam gás lacrimogêneo contra manifestantes palestinos durante confrontos do lado de fora de prisão militar de Ofer
Leia também: Revoltas árabes e Irã desviam atenção de problemas palestinos

Netanyahu e seu emissário pessoal Yitzhak Molcho reuniram-se com o negociador palestino Saeb Erakat e com o chefe dos serviços de inteligência da Autoridade Palestina, que lhe entregaram uma carta de Abbas, informaram as duas partes em comunicado.

No entanto, o primeiro-ministro palestino, Salam Fayad, não participou da reunião, ao contrário do anunciado anteriormente por israelenses e palestinos. Uma fonte próxima a Fayad disse antes do encontro que tinha "reservas" sobre a participação do primeiro-ministro palestino. Para Netanyahu, "Israel e a Autoridade Palestina estão decididos a conseguir a paz".

O primeiro-ministro israelense "enviará uma carta ao presidente Abbas dentro de duas semanas", segundo um comunicado israelense. "As duas partes esperam que essa troca de cartas ajude a encontrar um caminho para avançar rumo à paz", completa o texto.

Erakat classificou o encontro de "sério". "Netanyahu vai examinar seriamente a carta e responderá em algumas semanas", confirmou o negociador palestino.

Segundo um rascunho da carta de Abbas, ao qual a AFP teve acesso, o presidente palestino afirma que, "como consequência das ações empreendidas pelos sucessivos governos israelenses, a Autoridade Nacional Palestina já não tem autoridade nem competência significativa no nível político, econômico, territorial e de segurança".

"Em outras palavras, a Autoridade Palestina perdeu sua razão de ser e, se continuar assim, será incapaz de cumprir seus compromissos", completa Abbas.

O presidente palestino pede também a Israel que esclareça "o quanto antes" suas posições em relação a quatro pontos-chave: o princípio de existência de dois Estados, israelense e palestino, com as fronteiras anteriores à guerra de junho de 1967, o fim da construção nas colônias israelenses da Cisjordânia, a libertação de todos os presos palestinos e a anulação das decisões que minam os acordos bilaterais assinados desde 2000.

Saiba mais: Apesar de familiar, conflito entre Israel e palestinos tem novas condições

"Estamos dispostos a retomar imediatamente as negociações no momento em que recebermos uma resposta positiva sobre esses pontos", escreve Abbas. "A lógica é simples. Se o governo israelense apoia a criação de um Estado palestino, por que constrói no território desse Estado?", questiona o presidente palestino.

"Há muitas coisas que enfraquecem a Autoridade Palestina, mas não existe a possibilidade de dissolvê-la", declarou Abbas ao jornal palestino Al-Ayyam, em entrevista publicada na segunda-feira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.