Ofensiva militante em Cabul e outras três cidades afegãs terminou após 18 horas e deixou total de ao menos 47 mortos

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, relacionou os ataques militantes de domingo no país a falhas de inteligência, especialmente da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Em sua primeira resposta aos ataques, Karzai elogiou o desempenho das forças de segurança afegãs, afirmando que elas se provaram capazes de defender o país.

Soldado das forças da Otan carrega cão farejador depois de batalha de 18 horas em Cabul, Afeganistão
AP
Soldado das forças da Otan carrega cão farejador depois de batalha de 18 horas em Cabul, Afeganistão
Os violentos combates entre militantes e forças de segurança nas ruas do centro da capital do país, Cabul, e em outras três cidades terminaram nesta segunda-feira após 18 horas de tiroteios, explosões e disparos de foguetes, deixando um total de ao menos 47 mortos : 36 militantes, oito policiais e três civis, segundo o ministro afegão do Interior, Besmillah Mohammadi.

"A infiltração de terroristas em Cabul e em outras províncias é uma falha de inteligência nossa e especialmente da Otan, e deveria ser seriamente investigada", disse o líder afegão.

De acordo com um militante preso, a ofensiva militante foi lançada pela rede Haqqani , um grupo letal de insurgentes com vínculos com a milícia islâmica do Taleban e com a rede terrorista Al-Qaeda, disse uma graduada fonte de segurança afegã nesta segunda-feira.

Os confrontos, que começaram por volta do meio-dia de domingo (hora local), espalharam-se durante a noite por bairros centrais da capital afegã e paralisaram o bairro governamental da cidade. Houve combates também em três outras províncias afegãs, no que a milícia islâmica do Taleban, que assumiu a autoria da ofensiva, disse ser o início de uma ofensiva de primavera.

"Em apenas um curto período conseguimos estancar seus planos diabólicos, e todos os 36 insurgentes foram mortos. Eles portavam trajes suicidas, mas não conseguiram fazer nada exceto serem mortos", disse o chefe de operações do ministério do Interior, Afzal Amane

O incidente ilustra a capacidade dos militantes de atacar alvos valiosos no coração da capital, mais de dez anos depois de o regime islâmico do Taleban ter sido derrubado por grupos locais apoiados por forças estrangeiras.

Saiba mais: Entenda por que o Afeganistão é estratégico

Ele representa também um revés para o presidente dos EUA, Barack Obama, que gostaria de usar a campanha contra o Taleban - e o plano para retirar as tropas de combate do Afeganistão até o final de 2014 - como trunfos na sua campanha a reeleição , neste ano.

Embaixadas e prédios públicos

A ofensiva, que começou com ataques a embaixadas, um supermercado, um hotel e o Parlamento, foi uma das mais sérias na capital em mais de dez anos de guerra. Karzai ficou entrincheirado no palácio presidencial.

Aumento de mortos: Feto é listado como 17ª vítima de massacre de soldado no Afeganistão

Um porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, disse à Reuters que a ofensiva foi planejada durante meses, em vingança contra vários incidentes envolvendo tropas dos EUA no Afeganistão - incluindo a queima de exemplares do Alcorão num quartel da Otan, e o massacre de 17 civis por um soldado americano. Ele prometeu que haverá mais ações.

*Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.