David Cameron acusou o país de "colonialismo" por reivindicar a soberania das ilhas

O

Ministro das Relações Exteriores da Argentina rebate acusação britânica sobre as Malvinas
AFP
Ministro das Relações Exteriores da Argentina rebate acusação britânica sobre as Malvinas
ministro das Relações Exteriores da Argentina, Héctor Timerman, contestou nesta quarta-feira (18) o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, que acusou Buenos Aires de "colonialismo" por reivindicar a soberania das ilhas Malvinas.

"Qualquer país, qualquer povo, que conheça um pouco de colonialismo sabe que a Argentina não é um país colonialista", destacou Timerman em entrevista coletiva em El Salvador.

Na sessão semanal de perguntas na Câmara dos Comuns (câmara baixa do Parlamento britânico) nesta quarta, Cameron havia acusado a Argentina de "colonialismo" pela história reivindicação de Buenos Aires sobre a soberania das Malvinas, dominadas pelo Reino Unido.

O ministro do Interior argentino, Florencio Randazzo, expressou também à imprensa em Buenos Aires que as declarações de Cameron "são absolutamente ofensivas".

A Argentina sustenta que o conflito deve ser solucionado por meios pacíficos, ressaltou Timerman, que completou uma visita a El Salvador como parte de uma viagem pela América Central que já incluiu Panamá e Honduras e continuará na quinta (19) na Costa Rica.

"A Argentina defendeu por décadas que a única maneira de resolver a questão das Malvinas e a questão que reivindicamos desde 1833, quando houve a invasão inglesa, é através do diálogo e da negociação pacífica", manifestou o chanceler argentino. Ele lembrou que é assim que indicam "11 resoluções da Assembleia Geral das Nações Unidas e mais de 29 declarações do Comitê Antidescolonização das Nações Unidas".

"À medida que a Grã-Bretanha conhecer a realidade da América Latina, estaremos mais perto de uma solução", declarou o chanceler, que destacou que a reivindicação argentina se transformou em "uma causa latino-americana".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.