Ministério Público recorre da decisão de absolver viúva da Mega-Sena

Adriana Ferreira de Almeida foi inocentada da acusação de mandar matar seu marido, que ganhou sozinho prêmio milionário

AE |

selo

Agência O Globo
Adriana Ferreira de Almeida chorou ao ouvir a setença de absolvição
O Ministério Público do Rio recorreu contra a absolvição de Adriana Ferreira de Almeida, a viúva do milionário René Senna, executado com cinco tiros em janeiro de 2007, dois anos depois de ganhar R$ 52 milhões na Mega-Sena. Adriana e três acusados de tramar a morte do ex-lavrador foram absolvidos por falta de provas na madrugada de sábado pelo Tribunal do Júri, no Fórum de Rio Bonito, na Baixada Litorânea do Rio de Janeiro. Apenas os ex-seguranças da vítima, Anderson Silva de Souza e Ednei Gonçalves Pereira, condenados em 2009 a 18 anos de prisão, cumprem pena pelo crime.

Leia também: Justiça do Rio absolve “viúva da Mega-Sena”

O prazo mínimo para um novo julgamento é de três meses. Na avaliação dos promotores do MP do Rio, o Júri não levou em consideração investigações concluídas, que constavam no processo, como as ligações telefônicas de Adriana para o ex-segurança Anderson Souza, já condenado pelo crime, que comprovariam que ela foi a mandante do assassinato. A defesa da viúva classificou a atuação da acusação como "covarde, infantil, preconceituosa e sem provas".

"Estou absolutamente convencida da participação de Adriana, mas o Tribunal do Júri é isto. A sociedade é que decide. A decisão é soberana, mas não é absoluta", afirmou a promotora Priscilla Naegele Vaz. A única filha do milionário, Renata Senna, não compareceu ao último dia de julgamento. O advogado dela, Marcus Rangoni, confirmou que o MP do Rio entrou com recurso logo no final do julgamento e disse que a absolvição revoltou a família da filha da vítima, que também deseja recorrer contra a decisão. 

Adriana foi absolvida após cinco dias de julgamento e de prestar depoimento por mais de seis horas. Ela admitiu que teve um caso fora do casamento com um motorista de van, com quem passou o Réveillon de 2007. A viúva disse que a relação extraconjugal aconteceu porque o marido sofria de disfunção erétil. Ao ouvir a sentença, Adriana chorou. Ela deixou o fórum no carro de seu advogado de defesa e sob a escolta de uma equipe da Polícia Militar, por volta de 2h45, sem falar com os jornalistas. 

A defesa da viúva tentou colocar a culpa do crime em Renata, a única filha de René Senna, que disputa na Justiça com a viúva a herança do pai, hoje bloqueada pela Justiça. O advogado Jackson Costa alegou que o ex-lavrador desconfiava da paternidade e teria gasto R$ 380 mil em um exame de DNA. No entanto, os advogados da filha do milionário negam e informam que um exame no laboratório da Universidade Federal do Rio de Janeiro já comprovou que o milionário era o pai de Renata. 

Absolvida, a viúva passa a ter o direito de lutar pela metade da fortuna deixada pelo marido hoje estimada em R$ 100 milhões. No testamento, o milionário deixou metade do patrimônio para a viúva. Apontada pela polícia como mandante do crime, se condenada, Adriana teria o acesso definitivamente interditado aos bens da vítima. Todo o patrimônio ficará interditado pela Justiça até o fim do processo criminal sobre a morte do milionário. 

A tendência é que Adriana inicie uma batalha na área cível pelos bens do marido e Renata tente se manter como a única herdeira do pai. Entre os bens de René estariam contas bancárias, propriedades e veículos. Apenas a fazenda em Rio Bonito estaria avaliada em R$ 9 milhões. Entre os imóveis está uma cobertura em Arraial do Cabo (Região dos Lagos), que Adriana comprou por R$ 300 mil, em janeiro de 2007, poucos dias antes da morte de René. Ao comprar o apartamento, ela declarou que era solteira.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG