Velório de Michael Jackson teve menos audiência que a posse de Obama

LOS ANGELES ¿ O velório público de Michael Jackson foi transmitido ao vivo para o mundo todo, mas a posse do presidente Barack Obama registrou uma audiência maior, segundo especialistas que também levaram em conta a difusão do evento pela internet.

AFP |

Em número de telespectadores, a cerimônia de adeus ao rei do pop pode ser comparada - ainda à espera de cifras definitivas - aos funerais da princesa Diana em 1997, vistos por 2,5 bilhões de pessoas em todo o planeta.

"Trata-se também de um acontecimento mundial para uma celebridade mundial. Mas a diferença foi o papel da internet, de sites de relacionamento como o Twitter ou Facebook, já não se pode levar em conta apenas a TV", explicou à AFP Rich Hanley, especialista em mídia da Universidade de Quinnipiac.

"Agora, quando morre alguém famoso, todos os admiradores podem participar deste momento de luto global porque há mais meios para se conectar à internet a partir de qualquer lugar: celulares, notebooks etc", acrescentou.

A questão é saber quem, hoje em dia, pode alcançar uma audiência universal, Paul McCartney, que é um ídolo para quem tinha 20 anos nos anos 60 ou 70, ou talvez Madonna possa se aproximar desse nível de celebridade.

Especialista em comunicação da Universidade de Columbia de Nova York, Todd Gitlin destaca que, no caso de Jackson, "há uma mistura estranha de talento, de vítima, de cantor, de dançarino, de negro e de astro pós-racial".

"Ele concentrou tudo em sua figura, encarnou o êxtase e a beleza, depois o heroi decaído e esse fenôeno suscita paixão e curiosidade", explicou.

Apesar de ser difícil encontrar alguém que possa superar Michael Jackson em termos de popularidade ao morrer, há uma personalidade viva que já o derrotou em termos de recordes de audiência.

Segundo a empresa de alta tecnologia Akamaï, que fornece acessos de alta velocidade na internet e realiza medições da difusão instantânea (streaming), os picos impressionantes foram alcançados em três oportunidades em 2009: com a posse de Obama em 20 de janeiro (mais de 7 milhões de espectadores ao vivo na internet por minuto), o anúncio da morte de Michael Jackson em 25 de junho (4,2 milhões) e o funeral do rei do pop nesta terça, dia 7 de julho (3,9 milhões).

Os especialistas veem várias explicações para a vantagem de Obama. O clima desempenhou seu papel (inverno contra verão), assim como as circunstâncias (período de férias). Por outra parte, o primeiro presidente negro que chegou à Casa Branca teve um impacto mais amplo porque abarcou várias gerações, desde os mais jovens aos aposentados.

"Meus alunos de 20 anos nada têm a ver com Michael Jackson. Nos anos 80 não haviam nascido. Ele era um ídolo para seus pais, não para os filhos. Obama seduz muito mais os jovens", resumiu Richa Hanley.

    Leia tudo sobre: michael jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG