Michael Jackson morreu por overdose de analgésico, afirma portal

LOS ANGELES - Os exames toxicológicos feitos no corpo de Michael Jackson revelaram que o cantor recebeu uma quantidade letal do analgésico Propofol, segundo disseram hoje fontes policiais não identificadas ao portal TMZ.com. Os resultados destas análises ainda não foram divulgados.

EFE |

O anúncio, porém, deve acontecer em breve, já que Craig Harvey, porta-voz do escritório do juiz de instrução, disse no mesmo dia em que foi feita a autópsia no corpo de Michael, em 26 de junho, que a causa final da morte seria conhecida, no máximo, entre "quatro e seis semanas depois".

O "TMZ.com", que foi o primeiro meio de comunicação a informar da morte do "rei do pop", afirma que no organismo de Michael também foram encontrados vestígios de Xanax, comprimidos destinados a tratar os ataques de pânico.

Segundo as fontes consultadas pelo "TMZ.com", essa dose de Propofol, um analgésico geralmente usado em cirurgias, foi a principal razão da morte do artista.

Um dos mais graves efeitos colaterais do Propofol -um remédio só disponível para médicos e administrado por via intravenosa- é que pode provocar parada cardíaca se combinado com outros medicamentos.

As investigações da Polícia de Los Angeles indicam que a morte de Michael Jackson foi homicídio culposo e as suspeitas recaem sobre o médico pessoal do astro, Conrad Murray, que esteve presente quando o cantor morreu.

No final de julho, membros do Departamento Antidrogas (DEA) e detetives da Polícia de Los Angeles revistaram o escritório de Murray em Houston, Texas, em busca de "artigos que constituam evidências de um possível homicídio involuntário e que mostrem que Conrad Murray cometeu o crime".

Leia mais sobre Michael Jackson

    Leia tudo sobre: eualos angelesmichael jacksonpop

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG