Dentista diz que Michael Jackson era viciado em analgésico desde anos 1990

CIDADE DO MÉXICO ¿ Um dentista que atendeu Michael Jackson no México em 1993 afirma que desde aquela época o cantor era viciado em Demerol, um analgésico que o rei do pop pediu que fosse aplicado para que não sentisse dor durante a extração de um molar afetado por uma cárie, informou hoje a imprensa mexicana.

Redação com EFE |

"Não era um ser humano comum e normal, era como um extraterrestre, porque tinha medo da dor", afirmou o endodontista Guillermo Huber em entrevista ao jornal "Milenio".

O médico explicou que ele atendia funcionários da emissora "Televisa" e que, em 1º de novembro de 1993, foi chamado para atender Michael Jackson, que reclamava de dor em um molar.

"Eu pensei que era uma piada, mas voltaram a ligar e me disseram que não era piada, que meus serviços tinham sido recomendados e que Michael estava indo a meu consultório porque tinha tido uma noite muito ruim", afirmou.

O especialista tirou uma radiografia do cantor, viu que ele tinha cárie em um molar e tratou a lesão. Isso teria resolvido o problema, segundo o dentista, mas Michael insistiu que o dente fosse extraído.

Quando o especialista tocou no molar para retirá-lo, o cantor disse que não sentia dor, mas, mesmo assim, pediu que fosse aplicado Demerol. Para Huber, o cantor queria um pretexto para pedir mais analgésicos após a extração do molar.

A carreira de Michael Jackson

    Leia tudo sobre: michael jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG