Todos os mineiros podem deixar hospital nesta sexta no Chile

Os primeiros três mineiros receberam alta na quinta-feira; no domingo, trabalhadores participam de missa no acampamento Esperança

Luísa Pécora, enviada a Copiapó, Chile |

Após passar pelos últimos exames, os 30 mineiros ainda internados no hospital de Copiapó, no norte do Chile, podem receber alta nesta sexta-feira. A previsão era de que eles ficassem internados por até 48 horas após seu resgate na quarta-feira na mina de San José , onde permaneceram presos por 70 dias a quase 700 metros de profundidade.

Na quinta-feira, o hospital para onde foram levados os 33 mineiros deu alta para três deles , que deixaram o local à noite e voltaram a suas casas, onde eram esperados por vizinhos para festejar o resgate da mina que desabou.

"Isso é realmente incrível", disse em meio a gritos e aplausos Juan Illanes , de 52 anos, um dos primeiros a deixar o hospital. Os outros dois que receberam alta foram Edison Peña e o boliviano Carlos Mamani , o único estrangeiro do grupo.

Illanes usava ainda os óculos escuros que ele e seus companheiros receberam para proteger os olhos enquanto se aclimatam depois de 69 dias debaixo da terra. Depois de declarar que a experiência o havia levado até seu limite, Illanes disse que o que lhes aconteceu "é um exemplo de sobrevivência".

Em Copiapó, a alta dos mineiros provocou mais uma noite de comoção. Além das festas próximas às casas de cada um, uma procissão percorreu as ruas da cidade, enquanto populares disputavam com os jornalistas um lugar em frente ao hospital para tentar ver os trabalhadores de perto.

Alla Araya, 36 anos, viajou sete horas desde a cidade de Antofagasta apenas para “conhecer” os mineiros. Já a dona de casa Veronica Bondi, 30 anos, segurava uma máquina fotográfica e olhava atenta para a porta do hospital. Embora não conheça nenhum dos 33 mineiros, ela acredita que toda a cidade sofreu por eles. “É como se fossem meus irmãos, alguém da familia”, explica.

Veronica estava acompanhada da mãe, Marta, cujos olhos se encheram de lágrimas quando começou a relatar a emoção que sentiu ao assistir ao resgate na televisão. “Não posso nem falar disso que já começo a chorar”, afirmou.

Eduardo Hernandez, 53 anos, que esperava pela saída dos mineiros ao lado da mulher, Paola, disse estar agradecido a todos os repórteres que foram a Copiapó. “Para nós, é um orgulho que a imprensa do mundo inteiro esteja aqui. Estamos emocionados”, contou.

Para domingo está marcada uma missa no acampamento Esperança, que os trabalhadores vão visitar pela primeira vez. Os familiares querem mostrar a eles como viveram mais de dois meses a sua espera.

*Com Reuters

    Leia tudo sobre: mineiros do chilechileresgateminacopiapósan josé

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG