Mineiros do Chile

enhanced by Google
 

Primeiros mineiros são resgatados no Chile

Depois de passar 68 dias a mais de 622 metros de profundidade, Florencio Ávalos chega bem à superfície

Luísa Pécora, enviada a Copiapó, Chile | 12/10/2010 21:49

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

Os primeiros mineiros presos da mina San José, em Copiapó, no Chile, começaram a chegar à superfície por volta da 0h10 desta quarta-feira. Florencio Ávalos, de 31 anos, foi resgatado com sucesso pela cápsula Fênix. Ele levou 15 minutos para subir à superfície. Uma hora depois, foi a vez de Mario Sepúlveda ser recepcionado no local. O terceiro mineiro, Juan Illanes Palma, chegou à superfície às 2h10.

Foto: Reprodução

A salvo, Avalos chega à superfície e é recepcionado por familiares

Ao sair, de óculos escuros e uniforme especial, Avalos abraçou a mulher longamente. O filho do mineiro o esperava, chorando. No momento em que a cápsula trazendo Ávalos apareceu, todos que acompanhavam o resgate no local aplaudiram muito e soltaram balões. Já Sepúlveda, que foi recepcionado pela mulher, chegou à superfície aparentando bom estado de saúde e fazendo brincadeiras. Ao sair da cápsula, foi até a grade onde os trabalhos eram observados, cantou e vibrou com os "torcedores".

Antes, tirou pedras da mina carregadas em uma sacola e as entregou para o o ministro da Mineração Laurence Golborne, a quem saldou como "chefão", e para o presidente Sebastian Piñera, que acompanhou todo o resgate. 

Quando estava na cápsula, os integrantes da equipe de resgate falavam para Sepúlveda: "vai, vai". Ele respondia gritando. Entre todos os mineiros, Sepúlveda tem o rosto mais conhecido: foi ele quem se destacou no primeiro vídeo feito dentro da mina San José, quando apareceu apresentando seus colegas. Ele tem 40 anos, é casado e tem dois filhos: Escarlett (19) e Edgardo (12).

Já Illanes saiu da cápsula sorrindo e, quando lhe perguntaram como havia sido a subida, ele respondeu: "Excelente. Foi como um cruzeiro", brincou.

Após o sucesso dos dois primeiros resgates, o clima entre os familiares, tenso até então, foi ficando mais leve. Os trabalhos prosseguem pela madrugada.

"Quando o Chile se une, somos capazes de grandes coisas", discursou Piñera. "Quero convidar a todos os chilenos que tenham esse compromisso não apenas nas adversidades".

Os outros trabalhadores permanecem no local, a 622 metros de profundidade, à espera do resgate, acompanhados pelo paramédico Manuel González.

Resgate

Após uma série de testes, a cápsula foi colocada no túnel em direção aos trabalhadores por volta das 23h20 de terça-feira. O paramédico Gonzáles levou 16 minutos para chegar ao refúgio onde estão os trabalhadores.

Segundo o jornal "La Tercera", os próximos da lista serão Juan Illanes Palma e Carlos Mamani Soliz.

Eles são considerados os quatro mineiros com melhor estado de saúde e também os mais ágeis - assim, poderiam reagir a qualquer imprevisto.

Os dez mineiros mais debilitados deixarão a mina a partir da quinta retirada. Em seguida, vão até a superfície os trabalhadores mais fortes - a ideia é que eles ajudem os trabalhos no refúgio. Após o resgate, as vítimas serão levadas ao Hospital Regional de Copiapó em helicópteros ou ambulâncias.

Foto: AP

Reprodução de vídeo com a chegada de paramédico ao refúgio dos mineiros

O presidente chileno acompanhou de perto a entrada do profissional no túnel. Muitas palmas foram ouvidas quando a cápsula seguiu em direção ao refúgio. Ao ver o equipamento descer, Piñera fez o sinal da cruz e permaneceu no local. As equipes que trabalham no local cantaram o hino nacional chileno, acompanhadas das famílias dos mineiros, que estão no acampamento.

Antes, a cápsula havia entrado no túnel de resgate e percorrido cerca de 65 metros. No momento em que a Fênix foi colocada no túnel, integrantes da equipe de resgate bateram palmas e cantaram "vamos, vamos mineiros, que esta noite vamos tirá-los daí".

Para o resgate, cada um dos trabalhadores recebeu um kit com macacão, jaqueta, manta, meias e roupas de baixo, além de um cinto especial para que pudessem ser monitorados pela equipe e um aparelho de computador que registra frequência cardíaca e sanguínea e pressão arterial. O traje, que tem a cor verde e o nome de cada mineiro bordado, foi confeccionado no Chile com material importado que absorve umidade e transpiração.


 

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo