Perfuradora T-130 é retirada de acampamento no Chile sob aplausos

Processo de revestimento do túnel por onde serão retirados mineiros foi concluído na manhã desta segunda-feira

Luísa Pécora, enviada a Copiapó, Chile |

A perfuradora T-130, máquina que chegou ao local onde estão os 33 homens presos na mina San José, foi retirada nesta segunda-feira do acampamento Esperança, em meio a muita comemoração dos familiares dos trabalhadores.

O operário Luis Flores, que vai levar a máquina à sede da companhia Colbhuasi, no norte do Chile, estava emocionado. “Estou muito orgulhoso, é a maior emoção da minha vida”, afirmou, enquanto dava início a uma viagem que levará entre 10 e 12 horas. “Eu amo essa máquina".

Revestimento

Na manhã desta segunda-feira, o processo de revestimento do túnel por onde serão retirados os mineiros no norte do Chile foi terminado às 6h.

Segundo autoridades chilenas, foram revestidos 90 metros do túnel e agora o passo seguinte é instalar a plataforma que sustentará a cápsula Fênix, que vai içar um mineiro por vez. Depois do revestimento, será colocado um sistema de guindastes e roldanas capazes de sustentar até 40 toneladas de peso, que possibilitarão o deslocamento da cápsula.

Simultaneamente, continua avançando a perfuração alternativa (o chamado plano C; o plano A foi suspenso), para o caso de contratempos no plano atual. Até a tarde do domingo, o plano C já havia percorrido 447 metros.

De acordo com o ministro chileno da Mineração, Laurence Golborne, a operação de salvamento está "a muito poucas horas" de trazer os mineiros à superfície. Golborne disse que já foram escolhidos os quatro primeiros homens a serem tirados da mina, a partir da quarta-feira.

Ele advertiu, no entanto, que os prazos podem se estender ou acelerar dependendo de "alguns fatores imponderáveis".

Operação

Nas últimas horas antes de subir, os mineiros deverão se preparar com atividades físicas cardiovasculares e uma dieta especial para evitar que sintam náuseas durante o trajeto.

Jean Romagnoli, um dos médicos que integra a equipe de resgate, explicou nesta segunda-feira que um sistema de monitoramento dos sinais vitais será instalado na cápsula, para que os mineiros sejam monitorados diretamente durante a subida.

"O objetivo é que possamos ler as constantes vitais, para que eles mesmos façam o controle em tempo real de seus sinais vitais", acrescentou - o que, além da utilidade óbvia, dará aos mineiros algo para fazer e se concentrar, o que ajuda a reduzir a ansiedade e o medo.

Ordem

A ordem em que os trabalhadores deixarão a mina será definida momentos antes do início da operação. Uma lista prévia e ainda não divulgada dividiu os 33 homens em três grupos, mas ela poderá ser alterada pelos paramédicos que descerem ao local onde estão os trabalhadores.

O primeiro grupo a ser resgatado será formado pelos homens em melhores condições psicológicas. Na avaliação dos médicos, eles terão mais facilidade para lidar com eventuais problemas durante a operação. Em seguida serão resgatados os mineiros com problemas de saúde e, por fim, os mais fortes fisicamente, que deverão auxiliar os trabalhos a cerca de 700 metros de profundidade.

*Com EFE e BBC

    Leia tudo sobre: chilemineirosresgateminacopiapó

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG