Rotina de Santa Rita do Passa Quatro muda com ganhador de Mega-Sena

R$ 72 milhões ganhos por seu Adolfo, um jardineiro aposentado de 78 anos, representam 146% do orçamento da prefeitura

Ricardo Galhardo, de Santa Rita do Passa Quatro |

Os 27 mil habitantes de Santa Rita do Passa Quatro começaram 2010 em clima de euforia. Afinal, os R$ 72 milhões ganhos por seu Adolfo, um jardineiro aposentado de 78 anos, no sorteio da Mega-Sena de Ano Novo, representam 146% de todo o orçamento da prefeitura para este ano, fixado em R$ 49 milhões. Se este dinheiro for aplicado na cidade pode trazer muitos benefícios, gerar empregos, arrecadação, valorizar os imóveis, prevê o vice-prefeito, Junior Aparecido Otaviano (PMDB). 

Mas bastou menos de uma semana para a euforia se transformar em preocupação e medo. As autoridades e a população temem que a fama repentina atraia criminosos, interessados na fortuna de seu Adolfo. A Polícia Militar teve de reforçar o policiamento para apaziguar a cidade. "Pode virar um chamariz", admite Otaviano.

O tímido pelotão da Polícia Militar ganhou o reforço de homens e automóveis. Segundo moradores, um helicóptero da PM passou a ser visto na cidade depois do sorteio do dia 31 de dezembro. "O policiamento foi reforçado, sim, mas o motivo não é a segurança do seu Adolfo. Estamos nos precavendo pois não sabemos o que pode acontecer daqui para a frente", diz o comandante da PM em Descalvado e Santa Rita, capitão Luiz Sérgio Mussolini Filho.

Ricardo Galhardo
Fachada da casa de seu Adolfo
Rumores sobre a presença de pessoas mal-encaradas e tentativas de sequestro proliferaram na cidade desde o anúncio do prêmio. "Isso já está mexendo com a cidade. Outro dia a polícia foi acionada porque um homem mal-encarado chegou a um bar perguntando sobre o seu Adolfo, pelo nome completo", afirma a jornalista Patrícia Zamproino, de "O Santaritense", principal jornal da cidade.

Sorte do ganhador

"Dinheiro na mão é vendaval", "o dinheiro não traz felicidade" etc. É longa a lista de clichês e frases feitas usados para descrever a sorte de seu Adolfo. No domingo, três dias depois de conferir o bilhete premiado, ele foi obrigado a pedir proteção à polícia. Dois, de seus mais de trinta netos, tentaram roubar o Fusca 1961 amarelo do premiado. Os dois têm envolvimento com drogas.

"Quando nossa viatura chegou, eles fugiram para o mato, mas estamos de olho", diz o capitão Mussolini.

Segundo relatos de pessoas próximas à família, seu Adolfo ameaçou rasgar o bilhete, amargurado pelos desentendimentos entre os 11 filhos por causa do dinheiro. Foi dissuadido pelo filho Pedro, que guardou a aposta até o dia seguinte, quando toda a família teria partido para Ribeirão Preto, fugindo do assédio e ameaças.

"Os filhos do seu Adolfo são todos gente boa, trabalhadores, puxaram a ele. O problema são alguns netos que se envolveram com drogas", conta um amigo da família.

Um exemplo da paranoia que tomou conta da familia é o episódio protagonizado por um dos genros do aposentado. Ele foi normalmente para o trabalho em um supermercado da cidade, na segunda-feira, quando todos já sabiam quem era o premiado. Teve de sair de lá com escolta da polícia.

Fuga de Santa Rita

Ninguém sabe ao certo o destino de seu Adolfo e quem sabe não diz. Segundo pessoas próximas, ele está recebendo amparo de amigos, advogados e até de um psicólogo. "A ficha ainda não caiu", diz o jornalista Adilson de Freitas, para quem o novo milionário trabalhou como jardineiro nos últimos 20 anos.

Segundo pessoas que tiveram contato com ele depois do sorteio, seu Adolfo não consegue dimensionar o montante recebido. Para alguns ele disse que agora pode contratar um bom plano de saúde para a mulher, Ana, que fazia tratamento em Ribeirão Preto às custas da prefeitura. Para outros afirmou que gostaria de comprar duas latas de tinta para pintar o muro de sua casa no Jardim Nova Santa Rita. "Para você ter uma idéia, ele me perguntou se o dinheiro dá para ele reformar o Fusca. Respondi que agora ele pode ter todos os fuscas do Brasil", conta o capitão Mussolini.

Um dos rumores mais recorrentes na cidade é que ele teria oferecido R$ 5 milhões pela Santa Urbana, uma fazenda de café centenária, onde foi criado. De acordo com pessoas que acompanham seu Adolfo de perto, o negócio não passa de boato. O mais provável é que ele divida o prêmio em partes iguais com os filhos. "É um sonho que ele nunca escondeu", afirma Adilson de Freitas.

Apostas

O jogo era o passatempo preferido do sorteado. Durante décadas ele jogou regularmente em quase todas as loterias oficiais. "Ele também não perdia um bingo. Este prêmio saiu para uma pessoa que realmente tinha fé na sorte", diz dona Vera, vizinha há 24 anos.

Terça-feira, Adilson de Freitas encontrou em sua chácara dezenas de bilhetes de apostas de seu Adolfo. "Ele guardava cópias não sei para quê."

As apostas eram o luxo de seu Adolfo. Ele vivia das aposentadorias dele e da mulher. Ambos ganhavam salário mínimo. O orçamento era reforçado com o trabalho de jardineiro, que rendia R$ 150 por mês, e a venda de latinhas de alumínio, muitas delas ainda amontoadas em um corredor.

O vice-prefeito conta uma história exemplar, ouvida da boca do próprio seu Adolfo, ocorrida na época em que ele ainda morava na fazenda Santa Urbana. "Um homem que estava de visita na fazenda pediu para ele cinco frangos caipiras. Ele respondeu que só criava os frangos. Se o homem quisesse, deveria trazer um papel por escrito do proprietário da fazenda. O proprietário consentiu, deu o papel, mas o visitante mudou o 5 para 15. Seu Adolfo deu os 15 frangos e depois ainda teve que ouvir uma reprimenda do patrão", relembra Junior Otaviano.

"Ele costumava dizer que 'nóis é pobre mas nóis veve'. Tinha uma vida feliz na simplicidade. Na última vez que falamos, por telefone, ele me pareceu perturbado e chegou a perguntar: 'o que eu fiz para precisar de tanta segurança e não poder voltar para minha casa?'", diz Adilson de Freitas. 

    Leia tudo sobre: mega-senaloteria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG