Ganhador da Mega-Sena resgata dinheiro, mas mistério continua

Vencedor foi a agência da Caixa em Porto Alegre. Em Fontoura Xavier, onde aposta foi feita, os boatos se multiplicam

Alexandre Haubrich, enviado a Fontoura Xavier |

Aos poucos a informação de que o vencedor do prêmio de quase R$ 120 milhões da Mega-Sena resgatou o dinheiro em Porto Alegre vai chegando a Fontoura Xavier, cidade de 11 mil habitantes onde foi feita a aposta. De boca em boca, a notícia circula e, em vez de acalmar a cidade, multiplica os boatos.

Paulinho, dono da lotérica Boa Sorte, a única da cidade, passou o dia de ontem e a manhã de hoje recebendo telefonemas e visitas interessadas nas últimas informações. Disse ao iG que um homem teria lhe telefonado ontem, com sotaque alemão, garantindo ser o vencedor e pedindo informações sobre como receber o prêmio, mas não se identificara.

Os trotes são poucos, os telefonemas, muitos. De lá para cá e de cá para lá. O gerente da Caixa Econômica Federal de Fontoura Xavier e o prefeito da cidade entraram em contato com a Caixa de Porto Alegre, tentando obter alguma informação sobre o vencedor. Não conseguiram nada. A única informação que se tem é que o prêmio foi aplicado na Poupança.

A possibilidade de um viajante ter ganho o prêmio também é levantada. Um vendedor, funcionário da lotérica, comercializa bilhetes na estrada, principalmente para caminhoneiros. Talvez alguém vá largar a vida sobre a boléia.

Paulinho espera que, caso o premiado seja morador local, invista na cidade: “Precisamos de muita coisa aqui. Nossa juventude sai daqui atrás de empregos. Bento Gonçalves tem um bairro praticamente só de gente de Fontoura”, diz.

Para ele, a construção de alguma fábrica de bom porte mudaria a cara da cidade. Sobre a ideia do prefeito de conseguir R$ 8 milhões para construir uma ponte, Paulinho reclama, ao que fazem coro outros moradores que visitavam a lotérica: “Essa verba já veio, e desapareceu. Precisávamos de investimento em saúde, por exemplo. Se tivesse eleição hoje, ele não se elegeria, ninguém gosta dele”, critica.

Indícios desfazem tese de possível ganhador

O principal suspeito na cidade é o aposentado Otomar, dono do Bazar e Ferragem Nicolau. Mas é o que corre nas bocas de quem não está diretamente envolvido. Paulinho diz que Otomar nunca joga, e acredita na versão da filha do aposentado. Segundo ela, Otomar e a mulher foram para Capão da Canoa, arrumar o apartamento para o verão.

A filha não quis passar o telefone do pai, para não incomodá-lo. A suspeita começou porque o casal saiu da cidade ontem pela manhã, às 7h15, segundo a filha. Otomar abasteceu o carro em um posto na saída da cidade, e teria assinado um cheque um tanto trêmulo. A filha garante que o pai nem levou cheque, e que a viagem estava programada há tempos.

Rúbia, gerente do posto em questão, confirma que um frentista afirmou que Otomar abasteceu ali antes de viajar, mas não a história do cheque. Rúbia confirma também que muita gente na cidade já sabia que a viagem do casal estava programada.

A filha de Otomar, que pediu para não ser identificada, está irritada com a situação. Diz que, por causa dos boatos e das fofocas, passou a correr riscos, e que a viagem dos pais, prevista para durar quinze dias, pode ser reduzida por causa da preocupação da mãe com os filhos.

    Leia tudo sobre: mega-sena

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG