Justiça francesa reconhece Convenção de Genebra para Noriega

Paris, 7 mai (EFE).- A Justiça francesa admitiu hoje que o ex-ditador panamenho Manuel Antonio Noriega, extraditado dos Estados Unidos para a França no dia 27 de abril, será submetido aos termos da Convenção de Genebra, segundo a qual é prisioneiro de guerra.

EFE |

Paris, 7 mai (EFE).- A Justiça francesa admitiu hoje que o ex-ditador panamenho Manuel Antonio Noriega, extraditado dos Estados Unidos para a França no dia 27 de abril, será submetido aos termos da Convenção de Genebra, segundo a qual é prisioneiro de guerra. A Procuradoria do Tribunal de Apelação de Paris assegurou que a França garante o respeito da Convenção de Genebra sobre Noriega e que, por isso, poderá ser visitado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha na penitenciária de Santé, em Paris, onde está preso dente sua chegada ao país. A consideração foi feita durante a audiência que examinava o recurso apresentado pelo ex-ditador contra sua prisão. O Tribunal de Apelação emitirá sua sentença sobre o assunto no dia 21. O advogado de Noriega, Pierre Metzner, insistiu em que "o sumário não está completo" e falta uma nota do Ministério de Exteriores francês pela qual a França se comprometia com os EUA a que, ao extraditá-lo, teria consideração de prisioneiro de guerra. "Sem essa nota, Noriega nunca teria sido extraditado à França", disse Metzner, que, em declarações à imprensa, ressaltou que hoje, pela primeira vez, a Justiça francesa admitiu que seu cliente deve ser submetido aos temos da Convenção de Genebra. O procurador, por sua parte, disse que não é pertinente a reivindicação do letrado de incluir esse documento no sumário, já que o ex-general tem a garantia da aplicação da convenção. EFE ac/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG