Jurado não melhora e júri do massacre do Carandiru continua suspenso

Por Carolina Garcia - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Homem que faz parte do Conselho de Sentença passará por nova avaliação médica nas próximas horas. Juiz não descarta a possibilidade de cancelamento do júri

O julgamento dos 26 policiais militares, que respondem pela morte de 15 presos durante invasão policial no complexo penitenciário do Carandiru, ainda não pôde ser retomado no Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste da capital. O mal estar de um jurado provocou a interrupção dos trabalhos desde quarta-feira (17) pela manhã.

Às 11h, a assessorai do Tribunal de Justiça (TJ) informou por meio de nota à imprensa que "não há condições de retornar aos trabalhos". Ainda segundo o texto, no horário do almoço o jurado irá passar por nova avaliação médica. Caso seja comprovada a incapacidade de continuar com o júri, o magistrado José Augusto Marzagão deverá anunciar a dissolução do Conselho de Sentença.

1º dia: Descrição do massacre e acusação contra Rota dominam 1º dia de júri
2º dia: Fleury e ex-secretário fazem mea culpa e responsabilizam Ubiratan por Carandiru
Papo na redação: Repórter conta como foi a cobertura do massacre do Carandiru

A assessoria informou que novas informações deverão ser divulgadas por voltas das 14h. Com a dissolução, todos os trabalhos são considerados perdidos e o julgamento precisaria ser remarcado pela Justiça. Mais cedo, o deputado Olímpio Gomes, também major da Polícia Militar, confirmou que o jurado ainda passava por avaliação médica. Segundo ele, todas as partes do processo estão nas dependências do tribunal desde as 8h.

Ex-secretário: Campos confirma ordem para Ubiratan definir invasão ao Carandiru
Ex-governador: “A responsabilidade política é minha”, diz Fleury sobre Carandiru
Leia mais: Descrição do massacre e acusação contra Rota dominam 1º dia de júri

No dia 8 de abril, o júri também precisou ser adiado após uma jurada passar mal . Naquela ocasião, também após conclusão médica, a mulher não pode seguir no júri e o Conselho de Sentença precisou ser dissolvido, provocando o adiamento. 

Leia a íntegra da nota do Tribunal de Justiça:
"No momento não há condições de retornar aos trabalhos. Na hora do almoço, o paciente passará por nova avaliação médica e se houver possibilidade, o trabalho será retomado. Entretanto, não se descarta a possibilidade de dissolução do Conselho de Sentença, caso não haja melhoras.

Comunicação Social TJSP"

Leia tudo sobre: igspmassacre do carandirujulgamentotjsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas