Infraestrutura domina primeiro bloco de debate em GO

Tema suscitou ataques entre os candidatos ao governo goiano

Pedro Palazzo, iG Goiânia |

A infraestrutura foi o tema que dominou o primeiro bloco de debates dos candidatos a governador de Goiás.

O encontro, promovido pela Band, ocorre no Auditório da OAB no Estado.

Na oportunidade, o candidato Marconi Perillo (PSDB) quis saber do oponente Iris Rezende (PMDB) sobre seus projetos para a área social.

Evasivo, o peemedebista se limitou a afirmar que “vamos buscar o governo federal para resolver o problema".

O tucano aproveitou a réplica para listar obras sociais de seus governos (1999-2006). “Tivemos 500 mil famílias beneficiadas por programas sociais”.

Marconi também questionou Iris sobre o motivo do fechamento do projeto de assistência social Cidadão 2000, quando o peemedebista foi prefeito de Goiânia (2005-2010).

O peemedebista respondeu que “a infraestrutura é uma forma de garantir assistência social”.

A resposta de Iris abriu espaço para que o tucano o acusasse de “roubar” suas obras.

O peemedebista diz ter criado mais de 30 universidades, a maioria unificada sob o nome UEG.

Vanderlan Cardoso (PR), por sua vez, acusou o tucano de “fazer graça com chapéu alheio”, ao desviar a arrecadação dos municípios para o financiamento de programas sociais.

Sobre o endividamento da Celg, Vanderlan Cardoso (PR) defendeu a negociação liderada pelo atual governo. Iris acompanhou a tese do republicano.

Marconi aproveitou para lembrar a privatização da Usina de Cachoeira Dourada – feita no governo de Maguito Vilela (1995-1997, PMDB) – como um dos principais motivos para o problema financeiro na Celg.

Marta Jane (PCB) defendeu plebiscito para que a população se manifeste com relação à companhia.

Já Washington Fraga (PSOL) disse que é preciso cobrar os créditos que a Celg tem a receber. “Nenhum governo teve coragem de fazer isso”, afirmou.

    Leia tudo sobre: Eleições GOEleições debate

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG