Mãe de vítima em Santa Maria diz que ainda bota prato na mesa para filha

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Em vídeo, Ligiane Righi da Silva, mãe de Andrielle, conta que sente a presença de sua filha em quase todos os momentos da vida

BBC

Um ano depois do incêndio na boate Kiss em Santa Maria, a mãe de uma das vítimas disse à BBC Brasil que ainda sente a presença de sua filha em quase todos os momentos da vida.

Conheça a home do Último Segundo


Ligiane Righi da Silva, mãe de Andrielle, diz que às vezes, em refeições, a família ainda coloca um prato na mesa para a filha que morreu no incêndio.

"Em qualquer lugar, quando chegamos na casa de outra família, parece que eles estão esperando ela chegar."

Leia também:

Ex-segurança da Kiss relembra "o filme de terror" causado pelo incêndio

Um ano depois, sobreviventes da tragédia da Kiss ainda tossem e expelem fuligem

Ligiane diz que luta na Justiça contra a impunidade dos envolvidos porque quer garantir um ambiente de maior segurança para a sua outra filha no futuro.

"Eu não desejo o que estou passando para nenhuma outra mãe, e eu não quero repetir isso aí com a minha segunda filha", conta Ligiane, que formou a ONG 'Para sempre Cinderelas' com outras mães de vítimas.

"Agora a minha filha não quer sair [na noite], mas quem sabe no futuro ela queira sair. Eu vou ficar agoniada enquanto ela não chegar [em casa]. A gente luta na Justiça nesse sentido - para que não aconteça novamente."

Na segunda-feira, Santa Maria lembrará o aniversário de um ano do incêndio na boate Kiss, no centro da cidade gaúcha, que matou 242 pessoas, a maioria universitários.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas