Em campanha para as eleições de 2012, presidente americano disse que legalização de clandestinos beneficiará economia do país

O presidente de Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta terça-feira ao Congresso americano que aprove uma reforma sobre imigração para permitir a legalização dos cerca de 12 milhões de imigrantes clandestinos no país, com o argumento de que a medida irá beneficiar a economia do país.

Obama cumprimenta partidários em El Paso, no Texas
AFP
Obama cumprimenta partidários em El Paso, no Texas
Em discurso feito na cidade de El Paso (Texas), na fronteira com o México, Obama qualificou a reforma em questão de "imperativo econômico". Por meio da reforma, "não haverá uma imensa economia paralela que explora mão de obra barata", explicou o presidente.

Obama também pediu aos cidadãos que se mobilizem e "façam com que Washington saiba que há um movimento em favor da reforma que cresce com força de costa a costa".

O presidente americano afirmou que algumas medidas em favor da reforma já podem ser executadas, como a aprovação do projeto de lei conhecido como Dream Act, que estabeleceria uma via para a legalização dos imigrantes ilegais jovens que se matriculem na universidade ou que se alistem às Forças Armadas. Essa iniciativa foi aprovada em dezembro passado na Câmara dos Representantes, mas não recebeu o apoio necessário no Senado.

"Vamos continuar lutando pelo Dream Act. Vamos manter a luta em favor da reforma", destacou o presidente americano, no segundo grande discurso de seu mandato sobre imigração. Suas palavras não citaram grandes novidades, mas buscaram reiterar suas posições em torno da reforma migratória, uma promessa de campanha feita para o primeiro ano de mandato.

Para vencer as eleições do ano que vem, o presidente americano precisa se aproximar dos eleitores hispânicos, comunidade que mais cresce nos EUA. Três anos atrás, essa comunidade deu-lhe forte apoio eleitoral, mas anda decepcionada pelo aumento das deportações e da falta de perspectivas em favor de uma regularização dos imigrantes ilegais.

O discurso reflete uma série de reuniões que Obama manteve nas últimas semanas com congressistas, ativistas pró-imigrantes e estrelas de Hollywood para abordar a melhor maneira de conseguir a reforma. Em seu retorno a Washington, o presidente deve participar na próxima quinta-feira do café da manhã de oração, promovido pela comunidade hispânica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.