Primeiro imigrante de Nova York foi latino, diz estudo

Homem conhecido como Juan Rodríguez ganha rua com seu nome na cidade; ele seria dominicano e teria chegado na cidade em 1613

BBC Brasil |

BBC

Coração financeiro e cosmopolita do mundo, a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, é conhecida por ter sido construída do zero por imigrantes, especialmente ingleses, irlandeses e holandeses. Mas um estudo recente conduzido por uma universidade local fornece mais detalhes sobre a biografia do que dizem ser o primeiro imigrante da "Big Apple". Ele foi, na verdade, um latino-americano, proveniente do que seria o atual território da República Dominicana.

Segundo Ramona Hernandéz, diretora do Instituto de Estudos Dominicanos da Universidade de Nova York, à BBC Mundo, o homem, conhecido como Rodríguez, era "negro ou mulato, tinha facilidades para idiomas e conseguiu comunicar-se com os indígenas".

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre imigração nos EUA

NYT
O Empire State Building, ícone de Nova York (arquivo)

O primeiro nome dele parece ser Juan, mas os pesquisadores ainda não têm certeza sobre a grafia - poderia ser escrito Jan ou mesmo o na forma aportuguesada Joao Rodrigues.

Hernández afirma que o imigrante "chegou à área do porto de Nova York, sobre o rio Hudson, na primavera de 1613 e decidiu permanecer por ali até 1614". Ele também administrava um posto comercial na cidade e, aparentemente, casou-se com uma nativa.

Seu nome batiza um local próximo a uma avenida no alto de Manhattan, graças a um projeto de lei firmado pelo prefeito nova-iorquino, Michael Bloomberg. A avenida escolhida é a Broadway, entre as ruas 159 e 218, região majoritariamente povoada por dominicanos.

Um latino em Nova York

A descoberta é significativa às vésperas da celebração dos 400 anos da cidade, especialmente ao reconhecer que seu primeiro morador de fora seja latino. Descoberta durante uma missão francesa em 1524 pelo explorador italiano Giovanni da Verrazzano, a área correspondente à atual cidade era habitada por aborígenes em sua maioria da tribo Lenape.

Em 1614, chegaram os exploradores holandeses. Um ano antes, segundo a pesquisa recém-divulgada, Rodríguez chegou acompanhado do capitão holandês Thijs Mossel a bordo do navio Jonge Tobias, proveniente de Santo Domingo. Foi o único tripulante em permanecer no território, ou seja, teria sido o primeiro e o único imigrante durante esse período.

Os holandeses voltariam à cidade em 1614 e a fundaram em 1625 com o nome de Nova Amsterdã. Em 1664, os ingleses a conquistaram e a rebatizaram de Nova York.

Hernández disse que foi em 1959 que se começou a acreditar na existência de Juan Rodríguez, graças a Simon Hart, "quem estava escrevendo sobre a história recente de Nova York, pesquisando documentação na Holanda, onde encontrou arquivos notáveis".

A figura de Rodríguez aparece como peça fundamental na disputa entre dois capitães "pela terra, pelo espaço, pelo controle de água", disse.

Escravo ou livre?

O testemunho dos marinheiros holandeses que estiveram no Rio Hudson com Juan Rodríguez em 1613, dá conta de que ele era um mulato nascido em Santo Domingo (segundo os arquivos da cidade de Amsterdã).

Rodríguez foi contratado por um capitão holandês para ir a Nova York, mas este voltou à Holanda tempos depois. O dominicano então passou a trabalhar para outro capitão, de mesma nacionalidade, o que levou à disputa entre os dois capitães. Essa é a parte conhecida da história.

Leia também: Onda de imigrantes latinos muda demografia dos EUA

Infográfico: Veja e linha do tempo da imigração nos EUA

"Até a década de 1990, os acadêmicos americanos afrodescendentes, que escreviam sobre suas origens, usaram a figura de Rodríguez para mostrar que não eram apenas como escravos que homens como Rodríguez emigravam à Nova York, mas também como homens livres e empresários", disse Hernández. "Se ele foi escravo, não podemos dizer até que ano se encontrava nessa condição. Tudo o que sabemos é que no momento em que ele chegou aqui, ele estava livre."

O Centro de Estudos Dominicanos pesquisou os arquivos dominicanos e espanhóis para estudar os negros que habitavam a Hispaniola, a ilha que a República Dominicana divide com o Haiti. "Em 1613, quando esse homem chegou a Nova York, a Hispaniola tinha mais de 100 anos de história e já era habitada, há pelo menos 70, por negros", afirmou Hernández.

Imigração dominicana

O vereador de Nova York Ydanis Rodríguez foi o autor da proposta para o reconhecimento oficial de Juan Rodríguez e, na semana passada, Bloomberg batizou uma parte de rua de Manhattan com o nome do imigrante.

A homenagem ocorre às vésperas das eleições presidenciais americanas, nas quais a imigração polariza os dois principais partidos políticos e seus respectivos eleitores. No entanto, se a figura de Rodríguez já era conhecida desde 1959, por que tanto barulho agora?

Hernández afirmou que o detalhe de sua origem e sua condição de homem livre permaneceu pouco explorado até 2000. "Nós convencemos as autoridades de que este é um nome importante na história dos Estados Unidos."

Há, hoje, mais de 1,4 milhão de dominicanos em Nova York, de acordo com o censo de 2010. Mas a imigração dominicana não teve início em 1613 com Juan Rodríguez. Hernandez citou um estudo em que está atualmente trabalhando sobre 5 mil dominicanos que vieram através do porto de Ellis Island, em 1892.

"Ninguém fala deles, mas eles não são exilados, são pessoas comuns. O que estamos fazendo é reconectar o nosso povo com os seus antepassados", acrescentou.

Para Hernández, a divulgação da biografia detalhada de Rodríguez ajuda a comprovar o papel dos latinos no tecido social que formou os Estados Unidos. "Já está demonstrado que os primeiros moradores da Flórida foram cubanos. Além disso, mexicanos estão por toda a parte do país. Nosso povo é nômade por natureza", afirmou a pesquisadora.

    Leia tudo sobre: nova yorkimigração nos euaeuaimigraçãolatinos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG