Zona Azul no formato de papel vai continuar valendo até dia 4 de dezembro

A partir do dia 21, Companhia de Engenharia de Tráfego só iria aceita o formato digital na capital, mas decidiu prorrogar o prazo de transição
Foto: Fotos Públicas
Medida foi tomada pela Companhia de Engenharia de Tráfego para evitar a venda ilegal da folha de Zona Azul

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) prorrogou na noite desta sexta-feira (18) a validade da Zona Azul no formato de papel. O período de transição para o modo digital foi estendido até o dia 4 de dezembro, e não mais o próximo domingo (20).

A partir do dia 5 de dezembro, a Zona Azul de papel vai deixar de valer e os motoristas só poderão estacionar nas vagas de estacionamento rotativo com o Cartão Azul Digital, fornecido pelos aplicativos de celular. A medida para evitar a venda ilegal das folhas de papel já está valendo desde julho em São Paulo .

Reembolso folhas de papel

Entre os dias 21 de novembro e 30 de dezembro de 2016, as folhas em papel de Zona Azul oficiais e não utilizadas pelos motoristas serão reembolsadas pelo valor de R$ 4,50.

Quem precisar fazer a troca deverá comparecer à Gerência Comercial/CET, na rua Senador Feijó, no centro da capital, das 8h às 17h,  de segunda a sexta feira. Segundo a Companhia, no ato da devolução, os talões e as folhas passarão por perícia para conferência de sua autenticidade.

Como funcionam os apps

Ao invés de marcar com uma caneta a data, horário e placa do carro na folhinha, o motorista precisa, agora, cadastrar os dados veículo em um do s aplicativos de aparelhos móveis credenciados pela CET .

Após estacionar, o condutor aciona a placa do veículo e escolhe quanto tempo vai utilizar aquela vaga. Quando o tempo escolhido estiver para acabar, o próprio aplicativo vai enviar uma notificação ao usuário. Ele terá ainda a opção de renovar o crédito pelo celular se quiser deixar o automóvel estacionado por mais tempo

Não é necessário deixar nenhum tipo de comprovante no painel do veículo. Os agentes de trânsito vão consultar um banco de dados para conferir se o condutor pagou pela vaga. O usuário que considerar que foi autuado indevidamente poderá apresentar recurso de multa à Junta Administrativa de Recursos de Infração (Jari).

LEIA MAIS:  Operação do Detran apreende dedos de silicone em autoescola de SP

O pagamento é feito por cartão de crédito ou débito. O preço continua o mesmo: R$ 5 por período. Já o pacote de créditos com 10 cartões digitais sai por R$ 45. O objetivo é acabar com a comercialização ilegal de Zona Azul em São Paulo.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/igvigilante/transito/2016-11-18/zona-azul-digital.html